Siga o Jornal de Brasília

Cidades

Bombeiros mudam versão e dizem que “há indícios” de uma morte no desabamento do prédio em Vicente Pires

Publicado

em

O Corpo de Bombeiros afirmou no fim da tarde deste domingo (22) que é possível ter ocorrido uma morte no desabamento do prédio na antiga Colônia Agrícola Samambaia, em Vicente Pires. Mais cedo a Corporação confirmou ao Jornal de Brasília que um corpo teria sido localizado. No entanto, os militares voltaram atrás quanto à identificação de uma possível vítima nos escombros. Agora, se limitam a dizer que há grandes chances de um homem estar soterrado.

“Foram encontrados fezes, sangue e visualizamos um tecido. Há fortes indícios de que há um corpo por ali. Ainda não confirmado devido a grande quantidade de poeira e escombros no local que dificultam a identificação definitiva”, afirmou Major Lourival Correia, do CBMDF.

A vítima seria um empresário, que ficou prensado entre as lajes. O possível corpo foi encontrado por cães farejadores na manhã deste domingo. Os militares seguem na retirada dos escombros para chegar à vítima, mas, segundo o tenente coronel Leonardo é preciso cautela para não colocar a vida das equipes de socorro em risco.

Os familiares de um empresário acusaram o sumiço do homem na sexta-feira. Segundo a família Agmar Silva, 54 anos não trabalhava na obra. Ele técnico em edificações e sócio da arquiteta que fez o projeto e teria sido chamado para opinar sobre um problema apresentado no edifício. A família acompanha as buscas no local do acidente.

Ao todo, 30 bombeiros participam da operação de resgate. A causa do acidente será investigada pela Polícia Civil, já que resultou em morte. Toda a área foi interditada pela Defesa Civil.

Prédio vizinho corre risco de desabar

O prédio ao lado está com a base comprometida. Equipes de engenharia contratadas pelos responsáveis pelo prédio terão de fazer escoramento do prédio que se mantém em pé. De acordo com o coronel Sérgio Bezerra, subsecretário de Defesa Civil, os donos do local terão de apresentar laudos de segurança e fazer testes dos materiais usados na parte do edifício que se mantém erguido. Isso comprovará se a obra seguiu as normas de engenharia.

Com informações de Jéssica Antunes


Você pode gostar
Publicidade
Publicidade 
Publicidade
  • CHARGE DO DIA

Publicidade