Siga o Jornal de Brasília

Cidades

Após ser agredida pelo companheiro, mulher é levada ao hospital mas foge

Raphaella Sconetto
[email protected]

Na última quarta-feira (2), Ana Célia Crisóstomo Carvalho, 40 anos, foi agredida com socos e teve sua cabeça arremessada contra a parede diversas vezes pelo seu companheiro, Guilherme José de Oliveira, 28 anos. Os dois moravam juntos, em uma residência na QND 8, há três anos e têm três filhos pequenos, sendo o menor de três meses e o maior de três anos.

De acordo com o delegado-chefe da 17ª Delegacia de Polícia (Taguatinga),  Douglas Fernandes, Guilherme tem três passagens pela polícia envolvendo a namorada:  lesão corporal, vias de fato e descumprimento de medida protetiva. Nenhuma delas, porém, o afastou da mulher.

“Ele foi condenado nas três. Todas as penas eram muitas baixas e ele respondia em liberdade. Ou seja, era um relacionamento muito tumultuado”, afirma

Segundo as investigações, não há um motivo aparente para as agressões. “Ela disse que ele bebeu na noite anterior. Chegou em casa às 9h e lá encontrou as coisas dele para fora de casa. Ele ficou nervoso e falou que iria matá-la. Começou a espancar e bater a cabeça dela contra a parede até desmaiar”, diz Fernandes. Os filhos estavam em casa e viram toda a briga.

Os vizinhos que pediram socorro para a mulher, porque conseguiram ouvir gritos de Ana Célia. A mulher foi levada ao Hospital Regional de Taguatinga (HRT) com fratura no crânio, ferimentos na cabeça e sangrando pelo nariz, ouvido e boca. Na última sexta-feira (4), Ana Célia fugiu da unidade de saúde e foi para casa por estar com medo do que o homem pudesse fazer com seus filhos.

Desde o dia das agressões, Guilherme estava foragido. A Polícia Civil conseguiu localizá-lo no sábado (5) em um bar em Samambaia. “Ele ficou em silêncio. Não se defendeu nem confessou o crime”, completa o delegado.

Guilherme José de Oliveira tinha três passagens por violência contra a mulher. Divulgação/PCDF

Publicidade
Publicidade
Publicidade
  • CHARGE DO DIA