Siga o Jornal de Brasília

Cidades

Algoz de Janaína Romão diz que agiu de “sangue quente”

João Paulo Mariano
[email protected]

A polícia prendeu, nesta terça-feira (17), Stefanno Jesus Souza de Amorim, de 21 anos, autor confesso do feminicídio que vitimou Janaína Romão, 30 anos, no último sábado. A detenção dele ocorreu na QR 510 do Recanto das Emas. A funcionária do Ministério dos Direitos Humanos havia dado um basta no relacionamento, decisão não aceita pelo homem. Ao ser detido, ele apresentou à polícia uma carta de dez páginas endereçada à vítima, em que diz esperar encontrá-la em breve, e que lutaria pela guarda das filhas ao deixar a prisão. Esse seria o quarto homicídio de sua autoria.

Nas cinco folhas de caderno, escritas em letra de forma vermelha, o homem elenca os motivos que o teriam levado ao crime e dá um histórico completo do que o casal viveu. Ele finaliza com um pedido de perdão e uma esperança: “Perdão, filhas. Descanse em paz. Te amo e ainda hei de te encontrar (sic) “.

O delegado da 33ª DP, Alberto Rodrigues, recebeu várias informações sobre o paradeiro de Stefanno, mas apenas na tarde de ontem teve uma pista concreta, com endereço e nome da pessoa com quem ele estava. O acusado não ofereceu resistência ao ser preso.

 

Leia Mais: Suspeito de matar mulher a facadas em Santa Maria está foragido
Segurança no enterro de Janaína é reforçada após ameaças do ex

Aos policiais, Stefanno disse que o crime não foi premeditado e que o fez “de sangue quente”. Porém, não demonstrou remorso. “Mantemos a hipótese premeditação. Ele usou uma das filhas para saber sobre a vida da esposa. Deixou uma faca embaixo da cama e levou a mulher para o quarto, onde a situação era favorável a ele, e a esperou. Ele diz que não foi pensado, mas o contexto fático mostra que sim”.

Que sangue é esse?
Assim que a mulher entrou no lote onde foi morta, a discussão começou. Stefanno exigia que a ex-companheira dissesse com quem estava. Os gritos aumentaram e a briga se intensificou. Das agressões verbais, ele passou às físicas, pois começou a estrangulá-la. O tio dele, que estava perto, correu para ver o que acontecera e entrou em luta corporal com o sobrinho, que caiu perto da cama e soltou a mulher. Nesse momento, Stefanno viu a faca que havia deixado embaixo do móvel, a pegou e foi para cima de Janaína. A pergunta era única: “Com quem você estava, Janaína?”. Ela tentou se desvencilhar. Não conseguiu.

Quando ele perguntou se ela estava com o primeiro marido, segundo seu depoimento à polícia, a mulher teria ficado calada, mas dado um sorriso. Para Steffano, foi o motivo para dar o primeiro golpe, em direção ao coração. Em seguida, a esfaqueou no tórax. O tio, mais uma vez, interveio e derrubou o rapaz. Janaína saiu correndo, mas, sem forças, só chegou à calçada da casa ao lado, onde foi alcançada pelo ex-companheiro e levou mais três facadas. Ele voltou para casa e encontrou a filha mais velha, de quatro anos.

“Que sangue é esse?”, perguntou a menina. Stefanno, então, fugiu.

Janaína Romão Lúcio,30 anos, morta com cinco facadas no sábado (14). Foto: Reprodução/Facebook

 

Publicidade
Publicidade
  • CHARGE DO DIA