Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Brasília

UTI: rede pública acima dos 99% de ocupação

Até o momento da publicação desta reportagem, 414 pacientes aguardam leito de UTI no Distrito Federal

Por Guilherme Gomes 23/03/2021 7h57
Foto: Breno Esaki/Saúde-DF

Nesta terça-feira (23), a taxa de ocupação nos leitos de UTI para adultos com Covid-19 está em 99,45% na rede pública de saúde. De acordo com a última atualização do InfoSaúde-DF, feita às 6h10, apenas 9 leitos estão vagos. Das vagas disponíveis, duas são para pacientes adultos.

Já na rede privada de saúde a situação não é nada boa. A taxa de ocupação nos leitos de UTI para adultos com Covid nos hospitais particulares do DF está em 98,59%. Apenas 7 leitos estão disponíveis, um pediátrico e seis para pacientes adultos.

Até o momento da publicação desta reportagem, 414 pacientes aguardam leito de UTI no Distrito Federal.

Covid-19 no DF

O Distrito Federal (DF) registrou, nas últimas 24 horas, 1.854 novos diagnósticos de covid-19. Desde o início da pandemia, 330.756 pessoas já foram infectadas na capital e 16.869 casos estão ativos.

As regiões com mais casos confirmados são Ceilândia (35.725), Plano Piloto (31.493) e Taguatinga (26.607). Nas últimas 24 horas foram registrados 5 óbitos.

Do total de 330.756 mil casos, 5.441 (1,6%) faleceram em decorrência de complicações causadas pelo vírus e 308.446 (93,3%) estão recuperados. Do total de óbitos, 4.967 eram moradores do DF e 474 de outros estados.

Vacinação

O GDF anunciou nesta segunda-feira (22), os dados dos boletins informativos sobre a vacinação no Distrito Federal apresentavam o número de 213.284 vacinados da primeira dose e mais 69.710 pessoas que levaram a segunda dose. Nas últimas 24h foram 18.665 vacinados da primeira dose e 708 da segunda dose.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A vacinação contra a Covid-19 começou no Distrito Federal no dia 19 de janeiro. Já foram recebidas 335.360 doses da vacina CoronaVac, que é produzida pelo Instituto Butantan em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac. Além das 67.250 mil doses da vacina Covishield, desenvolvida pela universidade inglesa de Oxford, com a farmacêutica sueco-britânica AstraZeneca.

De acordo com a Secretaria de Saúde, a segunda dose da vacina CoronaVac deve ser aplicada entre 14 e 28 dias após a primeira. A pasta lembrou que devido ao curto espaço de tempo, a metade das doses recebidas foram reservadas para a segunda aplicação.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE








Você pode gostar