Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Brasília

Shows em Brasília tiveram gritos de “Fora Bolsonaro” e contra racismo

No show de celebração dos lançamentos de álbuns da banda Natiruts e Baco Exu do Blues, que ocorreu no sábado (7 de maio)

Por Ellen Travassos e Malu Souza
Agência de Notícias do CEUB|Jornal de Brasília

No Parque da Cidade, as manifestações políticas por parte do público tomaram conta entre as músicas tocadas durante as apresentações. Os gritos foram contra o presidente Jair Bolsonaro.

Na abertura do show, que contou com a participação de cantores locais brasilienses, como o Coletivo Mescla que logo se pronunciou sobre as eleições que vão ocorrer este ano no Brasil. “Neste ano, a gente sabe o que é mandar para fora daqui. O que é pra gente mandar fora daqui? Fora Bolsonaro.”

“Inimigo”

Depois de atrações locais e do set da carioca DJ Tamy Reis, a banda Natiruts iniciou a gravação do álbum “Good Vibration vol. 1”. Durante a apresentação, o cantor da banda, Alexandre Carlo não se pronunciou sobre os protestos do público, que logo voltaram a gritar, o vocalista apenas levantou os braços. 

Durante a apresentação da última atração do dia, Baco Exu do Blues, o público gritou “Fora Bolsonaro”, e logo o artista se pronunciou e fez a letra “L” com as mãos. 

“Quem é …tá ligado. A gente não fala nome de inimigo. A gente combate. Facção carinhosa, faz o L”. O artista ainda cantou “Lula ladrão, roubou meu coração” e o público aderiu a cantoria.

Pretos no topo

No intervalo das atrações principais, a DJ Tamy tocou seu set “Black Pop Music”, como ela costuma dizer, que é composta, em sua maioria, por artistas negros em diferentes gêneros musicais, incluindo funk, rap, rock, pop dentre outros.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O rapper Baco Exu do Blues também buscou se manifestar contra o racismo. Além de utilizar fotografias de figuras históricas para a luta antiracista, os artistas que contribuem em seu palco são todos negros. São eles as vocais de apoio, Mirella Costa, Aísha e Alma Thomas, e do produtor musical Pedro Guinu.

Supervisão de Luiz Claudio Ferreira








Você pode gostar