Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Brasília

São Sebastião vai ganhar novo campo sintético no Parque do Bosque

A obra vai receber investimento de R$ 1,96 milhão por meio do crédito especial à Lei Orçamentária Anual

Categorizado como distrital em 2019, o Parque do Bosque tem 177 mil m² de área de preservação ecológica e de convivência social | Fotos: Divulgação AR São Sebastião

Quem busca espaços em São Sebastião para lazer e esporte pode encontrar um novo ponto de divertimento. É o Campo Sintético do Bosque, que deve ser instalado no Parque Distrital da região administrativa, popularmente conhecido como Parque do Bosque.

A obra vai receber investimento de R$ 1,96 milhão por meio do crédito especial à Lei Orçamentária Anual, aprovado pela Câmara Legislativa do Distrito Federal, nesta terça-feira (10).

A licitação deve ser lançada em julho e a previsão é que o campo fique pronto ainda neste ano. Atualmente, a administração de São Sebastião está realizando ajustes técnicos no projeto, solicitados pelo Instituto Brasília Ambiental. O órgão é o responsável por todos os parques distritais do Distrito Federal e, por isso, acompanha todo o projeto desenhado pela área técnica da administração regional.

O campo terá 6 mil metros quadrados de extensão, grama sintética e equipamentos para a melhor experiência dos usuários. Haverá seis módulos de arquibancada, com capacidade para cerca de 200 pessoas; entradas oficiais, com rampas e corrimãos; jogo de rede e refletores para a iluminação diurna e noturna.

“Quando a população ocupa os espaços, a criminalidade diminui, novos projetos sociais nascem, as crianças saem das ruas. É a porta de entrada para diversas melhorias”, ressalta o engenheiro civil e administrador de São Sebastião, Ataliba Rodrigues.

O projeto também visa evitar qualquer depredação da mata do parque distrital, exigência do Brasília Ambiental. Por isso, os alambrados serão reforçados e maiores do que o convencional, para que tenham maior durabilidade e para evitar que as bolas de futebol saiam do campo, o que poderia danificar a vegetação local.

O projeto do campo sintético também visa evitar qualquer depredação da mata do parque distrital, exigência do Brasília Ambiental

Também será criado um sistema de drenagem. “A água da chuva irá direto para a rede da Novacap [Companhia Urbanizadora da Nova Capital], impedindo que a poluição caia na natureza”, explica Rodrigues. Em cima da parte de drenagem, será construído um novo calçamento, com mais espaço para a movimentação das pessoas, e lixeiras.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Além disso, já existe o plano de manutenção do campo a curto, médio e longo prazo. “Temos buscado obras que tenham mais durabilidade, então rastreamos os ajustes que, provavelmente, serão necessários de modo mensal, trimestral, semestral e anual. Daqui a um ano, por exemplo, haverá a pintura e o conserto das áreas depredadas, se for o caso. Estamos pensando no bem da população no futuro”, diz Ataliba.

A demanda do espaço de lazer e desporto surgiu em 2019 em uma reunião entre a administração da cidade e a população. Serão beneficiados mais de 5.800 atletas amadores de futebol em São Sebastião, incluindo as escolinhas do esporte e os times oficiais da primeira divisão.

A artesã Oxana Carvalho, de 51 anos, é uma frequentadora assídua do Parque Distrital de São Sebastião e vê com bons olhos a criação de mais um equipamento de lazer. Ela considera que vai melhorar a experiência dos moradores, principalmente das crianças e adolescentes, mas faz o alerta para a limpeza do local.

“Não tem conservação dos moradores. Muitas pessoas jogam lixo no chão, não catam os cocôs dos cachorros. Temos que preservar o que é nosso, ainda mais um lugar tão bom como esse”, diz Oxana, que caminha pelo parque durante a manhã, de segunda a sexta-feira.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Parque Distrital

O Parque de São Sebastião foi criado em 1994 e categorizado como distrital em 2019. São 177.730 metros quadrados de área de preservação ecológica e de convivência social. A vegetação do espaço preservado é a mata mesofítica ou mata seca, considerada rara no Distrito Federal, com espécies do cerrado como aroeira, amburana, chichá e carvoeiro. O espaço foi revitalizado em 2021 com a construção de calçadas, reforma da quadra poliesportiva e instalação de equipamentos de ginástica.

*Com informações de Catarina Loiola, da Agência Brasília








Você pode gostar