Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Brasília

Falta luz dia sim, outro também

Até ontem à noite, o apartamento de Rafael Baldo, na Asa Norte, estava sem luz desde domingo. Neoenergia busca sanar problema

Foto: Vitor Mendonça/Jornal de Brasilia

Luciana Costa
[email protected]

Nove regiões do Distrito Federal estiveram sem energia elétrica em decorrência das chuvas e ventos fortes neste fim de semana. 10% dos brasilienses estavam sem energia na região central e periféricas: Planaltina, Guará, Águas Claras, Taguatinga, Núcleo Bandeirante, São Sebastião, Fercal, Lago Norte e Lago Sul, onde árvores caíram nos fios da rede elétrica.

A Neoenergia, empresa responsável pelo serviço de distribuição, informou que, em decorrência de raios e ventanias, o desligamento dos circuitos se fez necessário após os piques frequentes de energia para evitar maiores danos. A empresa reestabeleceu gradualmente a energia para não haver sobrecarga da rede elétrica.

De acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), o volume de chuvas deste mês de novembro já é 48% maior que a média para a época. Entre o primeiro dia do mês e esta segunda-feira (29), já foram contabilizados 335 milímetros (mm) de chuva na capital, enquanto a média para este período é de 226,9 mm. As chuvas intensas devem continuar nesta semana, o Inmet emitiu alerta amarelo de perigo potencial, com previsão de 50mm por dia, com rajadas de vento de 60km/h.

Na segunda-feira (29), desligamentos distribuídos em todo o Distrito Federal atingiram cerca 3 mil moradores. Larissa Lopes (31), moradora de Taguatinga, relatou que a luz caiu durante a tarde inteira do domingo. “Fiquei com medo de ter queimado a máquina de lavar, pois estava lavando coberta bem na hora, mas graças a Deus, não queimou”, diz aliviada.

Mais de 30 horas sem energia na Asa Norte

Rafael Baldo, 40 anos, e a família estão há dois dias no escuro. Localizado na 710/711 norte, faltou energia no domingo às 9h da manhã na casa dele, do vizinho do andar debaixo e o ateliê no subsolo. Após duas horas sem luz, ele conta que ligou para a empresa Neoenergia e de que nada resolveu.

Na segunda-feira (29), quando a luz não voltou para os três apartamentos, Rafael procurou um eletricista para verificar a causa do problema. “Não é interno, está passando energia em duas fases, mas na terceira fase, onde esses apartamentos estão ligados, está desligado na rua. O conserto é de responsabilidade só da Neoenergia”, conta ele.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Devido à falta de energia, eles ainda não sabem se houve dano dos eletrodomésticos, mas conta que todos os alimentos da geladeira já estragaram. O prejuízo para Rafael pode ser ainda maior, pois impossibilitado de trabalhar em home-office na segunda, disse que, caso a energia não volte em breve, terá que pagar para trabalhar em algum lugar fora de casa.

“A CEB tinha várias reclamações, mas eu nunca passei por isso antes, mais de 30 horas sem luz. Para mim e para os outros milhares sem energia há mais de 24 horas, a gente se sente muito desrespeitado e impotente, porque eles resolvem na hora que eles querem. Nem na agência reguladora, Aneel, não foi possível reclamar e denunciar minha situação, porque o sistema estava fora do ar no domingo e na segunda”, desabafa Rafael.

No Guará, a empresa de paletas e picolés, Viva Paleteria, localizada na Colônia Agrícola Águas Claras foi prejudicada pela instabilidade de energia elétrica. O supervisor da fábrica, Brunno Miller, contou que os equipamentos caros para armazenar as paletas, como a câmara fria e freezers ficam totalmente inoperantes. Apesar do sistema de segurança da parte elétrica, para quando a energia volta não queime os equipamentos. Brunno conta que “um dos nossos equipamentos não funcionou quando a energia voltou, gerando um prejuízo de R$ 15.000,00 com o derretimento das paletas”.

“A falta de energia nos traz uma preocupação muito grande, pois não sabemos quanto tempo ficaremos sem energia, visto que uma falta de energia superior a 2 horas, podem comprometer os nossos produtos, fora a fábrica e todo o resto da empresa que fica sem funcionar”, ele demonstra a preocupação.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em entrevista ao Jornal de Brasília, o diretor superintendente de relacionamento da Neoenergia, Gustavo Alvares, esclareceu que as condições climáticas foram atípicas e não foram previstas pela empresa. Em resposta à situação, ele informou que “mais de 40 turmas especializadas em serviços complexos passam a reforçar o contingente de mais de 280 eletricistas, considerando próprios e terceiros, que já estão atuando na normalização do sistema nas diversas áreas atingidas”.

Para minimizar o impacto, a Neoenergia garante que está realizando melhorias em função da modernização, e não de uma crise. “Não estamos em crise de fornecimento de energia, falo isso com a maior segurança, pois nós reforçamos o time para atender o mais rápido possível a população”, afirma Gustavo Alvares.

Além das manutenções dos cabos de rua e das subestações, a empresa busca se modernizar os equipamentos tecnológicos para o monitoramento de rede e previsão meteorológica. “Mesmo que o cliente não ligue, nós sabemos onde houve queda de energia. O centro de operações recebe um alerta no mesmo momento”, comenta o diretor superintendente.

Alertas da Defesa Civil

A Defesa Civil do Distrito Federal emitiu alerta com a possibilidade de ocorrências graves na segunda-feira (29), fato que se concretizou. Foi informada que houve três acionamentos da equipe: queda de árvores na área residencial do Lago Sul, risco de queda no Residencial Itaipu no Jardim Botânico e solapamento de solo em via pública na Asa Sul, onde após ser isolado pelo DETRAN, a CAESB e a NOVACAP realizaram os reparos na pista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em nota, o órgão afirma que: “Ressaltamos que nosso nível de resposta é direcionado em apoio aos diversos órgãos que atendem primariamente. Havendo necessidade de avaliação técnica sobre risco a edificações ou outras estruturas (pontes, túneis, etc), maquinário diverso do disponível no momento, articulação entre entes públicos ou ajuda humanitária a cidadãos afetados, nossa equipe é demandada pelo Centro Integrado de Operações de Brasília (CIOB). Tal serviço funciona ininterruptamente, durante as 24h do dia”.








Você pode gostar