Brasília

Distritais cobram de BRB explicações sobre empréstimo feito por Flávio Bolsonaro

Enquanto oposição cobra informações, deputados da base argumentam que empréstimo ocorreu de acordo com as normas bancárias

Com mais de R$ 3 milhões de empréstimo do Banco de Brasília (BRB), feito pelo senador Flávio Bolsonaro, filho do presidente da república, para a aquisição de imóvel no Lago Sul chamou a atenção dos deputados distritais, que debateram o assunto na sessão remota da Câmara Legislativa desta quarta-feira (3).

O deputado Chico Vigilante (PT) apresentou requerimento de informações, lido hoje, sobre as condições da transação e o deputado Professor Reginaldo Veras (PDT) considerou que houve “abuso para privilegiar alguém”.

Ele ainda acrescentou que “desconhece quem tenha conseguido empréstimo igual a esse” e insistiu que o banco somente permite o comprometimento de 30% da renda mensal do tomador dos recursos, enquanto, neste caso, o comprometimento seria de 49% do salário. Além disso, questionou o fato de o senador ter registrado o imóvel em um cartório de Brazlândia a cerca de 50 quilômetros da localização do imóvel. “Explicações precisam ser dadas”, afirmou.

O deputado Hermeto (MDB), líder do governo na CLDF, defendeu a operação e Delmasso (Republicanos), após uma consulta ao banco, fez uma explicação sobre os juros que o BRB aplica nesse tipo de negócio. “Foram empregadas condições do empréstimo imobiliário que valem para qualquer pessoa”, observou.

Com informações da CLDF

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar