Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Brasília

Dia de muitos agradecimentos

Católicos foram à Catedral para pedir força a familiares adoentados e vibrar com recuperações

Foto: Amanda Karolyne/Jornal de Brasília

Amanda Karolyne
[email protected]

Com a aferição de temperatura na entrada e álcool em gel espalhado pelo ambiente, e responsáveis por manter todos de máscara, a Catedral de Brasília estava de portas abertas para celebrar o dia de Nossa Senhora Aparecida. As missas foram transmitidas nos canais da arquidiocese, mas a paróquia estava recebendo o público também.

Devotos e turistas com agradecimentos e pedidos compareceram ao dia da padroeira.
Dom Marcony celebrou uma das missas do dia na Catedral, e destacou que a igreja está dando exemplo ao seguir os protocolos de saúde necessários para o bem do povo. Para ele, o dia da padroeira é uma maneira de reconhecimento daquela que veio primeiro.

“A réplica de Nossa Senhora Aparecida chegou aqui para ajudar e incentivar a construção da comunidade”, afirma. Ele acredita ser muito bonito e simbólico essa celebração da mãe que sempre esteve presente, e principalmente agora nos tempos de pandemia, isso mostra a confiança do povo de deus na figura da padroeira. “Confiança na mãe que intercede por nós, e hoje nós pedimos para que ela interceda para que voltemos a viver em comunidade para abraçar nossos irmãos e viver sem divisões e com dignidade”, finaliza.

Para agradecer a vida do marido e da cunhada, Leila Viana, 57, autônoma, veio até a igreja no dia 12. “Sou devota desde pequena, e sempre tenho muito a agradecer, especialmente esse ano”, afirma. O marido, Ronildo Souza, 57, ficou 21 dias internado com covid-19, e Fátima de Souza, 67, a cunhada, está superando o câncer no pulmão. Ela sempre fez questão de ir à Aparecida do Norte comemorar o dia da padroeira, mas desde o ano passado não pôde ir, então dessa vez veio a missa da Catedral.

Quem também agradeceu a um pedido concedido, foi Erika Rodrigues de Almeida, 27, servidora pública. A filha Maria, batizada em nome da santa, está completando dois anos e foi promessa que pediu para Nossa Senhora. A criança estava presente com a mãe na celebração, ansiosa para ir brincar no parquinho, mas estava encantada com o teto da paróquia, dizendo que havia baleias nele que estavam perto de Deus. Erika é bem cautelosa quanto a pandemia, ainda mais por trabalhar no ministério da saúde, então ela esperou a movimentação diminuir para poder presenciar o dia de Nossa Senhora Aparecida.

Esperando por um milagre, Maria Bonfim Damasceno Ribeiro, 45, auxiliar de serviços gerais, foi pedir à santa que intercedesse por ela. “Estou tentando me mudar para meu apartamento desde maio, mas por motivos financeiros ainda está difícil, então vim pedir a ela que me ajudasse, e quem sabe eu célebre depois uma missa em nome dela”, conta.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Essa foi a primeira vez que Sabrina Coutinho dos Santos, 28, autônoma, visita a Catedral. Ela é devota da padroeira e participante de pastorais na paróquia onde frequenta. “Costumo ir à missa da padroeira todo ano, sempre em algum lugar diferente”, explica.

O casal de cariocas Marcia Fontenelle, 63, e Eduardo Fontenelle, 64, militar, junto do filho Alexandre Fontenelle, 36, diplomata, vieram agradecer pela vida. Márcia conta que sempre frequentou a missa na esplanada, e que veio aproveitar a oportunidade de estar de volta presencialmente celebrando o dia da santa. “Somos católicos praticantes, sempre frequentamos a missa dela e esperamos que ano que vem seja de novo na esplanada”, completa.

Segundo a pastoral de comunicação da Catedral, a capacidade máxima era de 500 pessoas, e em média 400 pessoas estavam presentes nas missas no decorrer do dia. Os atos eucarísticos foram adaptados para ocorrer de acordo com os protocolos de saúde.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE








Você pode gostar