Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Brasília

DF Legal impede parcelamentos ilegais de até R$ 170 mil no Gama

Os anúncios de venda dos lotes eram realizados nas redes sociais, oferecendo infraestrutura completa com preços que chegariam a R$ 170 mil por lote

Foto: Divulgação/DF Legal

A Secretaria de Estado de Proteção da Ordem Urbanística – DF Legal, realizou a Operação Pronto-Emprego neste sábado (2). Nela, os agentes impediram tentativas de parcelamentos irregulares na Ponte Alta do Gama.

As áreas pertenciam ao conjunto de imóveis da Terracap e algumas delas estavam destinadas à construção de equipamentos públicos, como escolas, unidades básicas de saúde, delegacias, entre outras.

Os anúncios de venda dos lotes eram realizados nas redes sociais, oferecendo infraestrutura completa com preços que chegariam a R$ 170 mil por lote.

Ao todo, na Ponte Alta do Gama, foram demolidos mil metros lineares de muros de alvenaria, que se estendiam por pelo menos 4.1 mil metros de meio fio e seis arruamentos.

Foto: Divulgação/DF Legal

Ainda no Gama, na mesma operação, foram retirados 500 metros lineares de canaletas de tidos de concreto, derrubados 17 postes de energia clandestina de baixa tensão, e uma caixa d’água de alvenaria de 9m².

Foto: Divulgação/DF Legal

O serviço que se estendeu pelo dia de ontem, ainda retirou 340 metros lineares de bloquetes que formavam uma rua.

Por fim, na Ponte Alta, foram recolhidos 27 basculantes truncados dos arruamentos, além de demais materiais de construção, como areia e meios-fios ainda não usados.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
Vídeo: Divulgação/DF Legal

Algumas áreas não puderam ser alcançadas na operação deste sábado, devido à colocação de piquetes. O fato será informado às autoridades policiais e novas operações serão realizadas nos próximos dias.

A Operação Pronto-Emprego tem por objetivo realizar a remoção de invasões em prazo máximo de 72 horas após tomar conhecimento das ocorrências.

Com isso, se reduzem os impactos sociais, ambientais, políticos e econômicos tanto para o estado quanto para o próprio infrator.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE








Você pode gostar