Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Brasília

Decisão de não ter Réveillon é comemorada

As celebrações aconteceriam de forma descentralizada, porém o governador Ibaneis acredita que ainda não é o momento certo

Foto: Breno Esaki/Agência

Elisa Costa e Luciana Costa
[email protected]

A decisão do governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, de não ter Réveillon na capital do país foi comemorada – por conta do avanço da nova variante do coronavírus, Ômicron, oriunda na África do Sul – por vários setores da sociedade local brasiliense.

O Sindicato do Comércio Varejista do Distrito Federal (Sindivarejista-DF), presidido por Edson de Castro, elogiou a decisão do governador de cancelar as festas públicas de Ano Novo. “O Brasil já perdeu mais de 605 mil pessoas para a covid-19. Não faria sentido manter a realização dos festejos de fim de ano diante da nova cepa”, comentou.

Ele ainda acrescentou: “A pandemia chegou ao Brasil, pelo que se diz, trazida por turistas estrangeiros que vieram para o Carnaval de 2020. Agora, diante desse novo quadro, seria mais sensato cancelar também os festejos carnavalescos. Vidas humanas merecem muito respeito”, finalizou Edson. O Sindivarejista reúne atualmente 30 mil lojas de shoppings de rua em todo o DF.

A brasiliense Maria Luiza Burlamaqui, de 24 anos, contou que não costumava frequentar as festas públicas do GDF, mas mesmo se pensasse em ir, teria receio. “Eu teria medo sim. Acho que mesmo com muitas pessoas já tendo se vacinado, ainda existem várias que não vacinar. Eu acredito que a ideia de realizar as festas foi bem precipitada”, comentou. Maria Luzia ainda destacou que sabe que é muito difícil manter a população em casa por um longo período, mas considera necessário: “Acho que temos que ter mais um pouco de paciência, porque só assim essa pandemia vai embora”.

Mesmo com os preparativos previamente decididos, a empresa responsável pela organização do evento ainda não havia sido contratada pelo Governo do Distrito Federal. A assessoria da organização relata que a cada semana a assinatura dos contratos era adiada por mais dias, e que não fora informada sobre o cancelamento em questão.

Decisão acertada

O médico infectologista, Dr. Hermerson Luz, afirma que o cancelamento das festas de Réveillon foi uma decisão acertada do Governo do Distrito Federal, tendo em vista, que os estudos da nova variante Ômicron, na eficácia da vacina e riscos de reinfecção, ainda não foram publicados.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Para os especialistas, a preocupação não está em voltar ao cenário mais grave de 2020, com altos números de mortes por dia, e sim em haver um colapso na rede pública e privada de saúde. O Dr. Hermerson esclarece que as infecções não são sérias, mas o aumento de números de casos pode levar a uma sobrecarga no sistema de saúde.

“A estrutura em Brasília está pronta para receber pessoas. Taxa de ocupação com leitos das enfermarias e de UTI estão abaixo do nível crítico, ou seja, temos a capacidade de absorver casos que venham aparecer. Mas, devemos acompanhar os números para tomar medidas mais radicais, como abertura de leitos e remontagem de hospitais de campanhas”, pondera o infectologista.

Apesar do cancelamento cauteloso e preventivo do GDF para evitar avanço da variante, o Dr. Hermerson acredita que as medidas de flexibilização não serão revogadas, como a liberação do uso de máscaras em locais abertos. Ele explica que os indicativos estão controlados, média móvel e taxa de transmissão baixas, o que possibilita a permanência dos eventos presenciais com a apresentação do cartão da vacina.

Ômicron no Brasil

Saiu o resultado do exame laboratorial do casal de São Paulo que estava com a suspeita positiva para a variante Ômicron da Sars-Cov-2. O documento confirmou que um homem de 41 anos e uma mulher, de 37, testaram positivo para a nova cepa.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O casal está com sintomas leves, foi orientado a manter isolamento e está sendo monitorado pela Vigilância Sanitária, assim como todos os familiares e pessoas que tiveram contato com eles.

Tal testagem deve-se ao fato de que um passageiro vindo da África do Sul e que desembarcou em Guarulhos no dia 23/11, portando resultado de RT-PCR negativo, com vistas a se preparar para a viagem de regresso à África do Sul, procurou o laboratório localizado no aeroporto de Guarulhos, no dia 25/11, para, já na companhia de sua esposa, realizar o teste de RT-PCR requerido para o retorno. Naquele momento, ambos testaram positivo para a Covid-19 e o fato foi comunicado ao Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (CIEVS) de São Paulo.

Diante dos resultados positivos, o laboratório Albert Einstein adotou a iniciativa de realizar o sequenciamento genético das amostras. Ademais, o laboratório notificou a Anvisa sobre os resultados positivos dos testes e sobre o início dos procedimentos para sequenciamento genético no dia 29/11 e, na data de hoje, 30/11, informou que, em análises prévias, foi identificada a variante Ômicron do Sars-Cov-2.

De acordo com os protocolos nacionais, o material deve ser enviado ao Instituto Adolfo Lutz (IAL) para fins de confirmação do sequenciamento genético.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE








Você pode gostar