Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Psicanálise da vida cotidiana

Um poema de Drummond acerca dos riscos dos Amantes

Os versos livres do itabirano “gauche” revelam de saída o que poderíamos falar de “paixão insana”, aquele estado passional inicial de qualquer relação avassaladora

“Os amantes se amam cruelmente 

como se amarem tanto não se veem 

Um se beija no outro, refletido. 

Dois amantes que são?  Dois inimigos. 

Amantes são meninos estragaados 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Pelo mimo de amar: e não percebem 

quanto se pulverizam no entrelaçar-se, 

E como  que era mundo volve a  nada. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Nada, niguém. Amor puro  fantasma 

que os passeia de leve, assim  a cobra 

se imprime  na lembrança de seu  trilho. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

E eles quedam mordidos para sempre. 

Deixaram de existir, mas o existido 

Continua a doer  eternamente” 

               Poema de Carlos Drummond de Andrade ,1959, no livro: Lições de Coisas 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os versos livres do itabirano “gauche” revelam de saída o que poderíamos falar de “paixão insana”, aquele estado passional inicial de qualquer relação avassaladora. Diferente da “paixão sana” que caso os amantes exercitam lidar com as diferenças e  individualidades próprias de cada, transformam a paixão em prelúdio para preparar o amor. Nessa narrativa poética de Drummond, a tônica cái na possibilidade que ele deu ênfase à destruição, e não a criatividade no amor para atingir uma parceria!

Amor cruel, passional, com ímpetos de oralidade sádica, vampiresca, onde um engole o outro  e se perdem numa fusão psicótica e perversa de dominação, alimentando  o lado patológico de um Narcisismo mortífero onde “eles quedam mordidos para sempre. “Dois inimigos”; “se amam cruelmente”; “meninos estragados”. Caro leitor, atentem ao aspecto destrutivo dessa parceria insana, onde jogos sadomasoquistas imperam pela vitória dos dois, não para criar, sublimar, engravidar. Diga-se de passagem que Freud sempre reconheceu que poetas tinham muito a ensinar aos psicanalistas. Esse texto drummoniano é um aspecto do que, na psicanálise estava descrito como — atuação da pulsão de morte, revelando relações estéreis, abortivas, sem possibilidade de gerar filhos internos da relação nem filhos engravidados pela relação amorosa.

“Eles quedam mordidos para sempre… deixaram de existir… continuam a doer eternamente”, intui Drummond e justifica piamente de nomear o poema com DESTRUIÇÃO. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O livro “Lições de Coisas” já enuncia a maturidade do Poeta, denunciando já na década de 1950, o que é atualíssimo, o que transforma Drummond como um Clássico, na medida em que é aquele gênio que nunca deixa de ser atual.

Quando Carlos Drummond enfatiza em seus versos livre os amantes “não percebem quanto se pulverizam no enlaçar-se, e como o que era mundo volve  a nada”. Está aí a tragédia  atual das relações amorosas de consumo onde o amor, a ternura e sexualidade dão lugar as relações de prazer  pelo prazer, do não reconhecimento entre sujeito e objeto como um conjunto fértil, e sim, como uma  relação desprovida de afetuosidade e predominantemente destrutiva sob um fundo  de um narcisismo perverso. Ato contínuo, aparecem sentimentos de não existência, de vazio, de depressão e  de drogadição às pessoas. 






Você pode gostar