Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Blogs e Colunas

“Toda paixão é uma cerimônia de adeus”

“Uma carta de amor?
Uma carta de despedida do mundo?
Toda paixão é uma cerimônia de adeus”

Foto: Safin Hamed/AFP

A paixão é um estado abrupto de efusivos raios de sensorialidade, de pulsações frenéticas de corporeidade, de pré-concepções alucinatórias em direção ao seu Objeto (pessoas, coisas e idéias). É um intróito ao ideal do perene, do eterno, do infinito, razão primordial para se sair da angústia de abandono, quando do encontro fictício da transcendência do Ser. A paixão é a crença no encontro Outro-Eu, do fusional, perdido após o nascer. É uma ousadia dada aos Homens, é chegada, é risco, é perigo, no entanto também é a esperança do acolhimento imparcial, do “gêmeo imaginário”, ou “da tão decantada “outra metade”. A paixão é narcísica, não conhece nem reconhece a diferença. Não suporta o diferente, daí Drummond em seu poema “Igual-Desigual” terminá-lo, versando” “…o homem não é igual a nenhum outro homem, bicho ou coisa./Ninguém é igual a ninguém./ Todo ser humano é um estranho impar”.

A paixão odeia a possibilidade de qualquer final, pois o ser apaixonado acha como Dante, que encontrou sua Beatriz, mas ela já estava no Paraíso quando ele a viu, não pertencia mais ao terráqueo e sim ao transcendental. Esse é um vértice quando Luiz Fernando Carvalho, pósfaciando a bela edição atual da Editora Rocco, do intrigante e sábio texto de Clarice Lispector —- “A Paixão Segundo GH” escreve: “O retrato, riscado a carvão na pele do quarto branco da empregada, expõe fissuras sociais, veredictos morais, civilizações, mas o relato avança liberando fluxos que evocam, pouco a pouco, fragmentos que nos remetem a uma carta cifrada.

Uma carta de amor?

Uma carta de despedida do mundo?

TODA PAIXÃO É UMA CERIMÔNIA DE ADEUS”.

Adeus ao mito de Narciso; adeus à ilusão; adeus à esperança de uma relação onde o prazer é o senhor todo poderoso. Cerimônia que se despede, ADEUS! 

Mas, prezado leitor, podemos navegar por outra margem do mesmo rio. Podemos pensar a alternativa da “cerimônia do adeus”, para uma qualidade outra da relação afetiva —-  a capacidade de amar! Difícil a capacidade de amar! Outro dia, dois namorados num banco de praça se postavam grudados, engalfinhados, boca na boca, os pés pareciam ser dois em quatro, soluços de prazer. Aí, passou o espírito de porco e disse de modo enfático: “Eu quero ver se vocês continuarão assim após juntarem as escovas de dente! O amor é “igual-desigual”, belo-feio, delicado e rude, amor e ódio, satisfação e renúncia, flores e espinhos, tapas e beijos, potência e impotência, pureza e sujeira, alegria e desencanto. O amor é a tolerância ao Absurdo que o escritor e filósofo, Albert Camus chamou de “Homem Revoltado”, ou seja, o homem que é capaz de não perder sua vida na experiência do desamor, o homem que não almeja o Transcendental como forma de ódio à sua humanidade imanente, o homem que entre o ato de nascer e morrer, retira proveito do absurdo de viver suportando as dores do desamor. Isto é, fazer a despedida da “cerimônia de adeus”,  sem enlouquecer na arrogância do Espelho Narcísico.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Carlos de Almeida Vieira Médico, Psicanalista. Membro Titular da Sociedade de Psicanálise  de Brasília, Analista Didata; Membro Efetivo da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo; Membro da Federação Brasileira de Psicanálise e Associação Internacional de Psicanálise (Londres).








Você pode gostar