Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Blogs e Colunas

A Formação de um Psicanalista

Faculdades de Psicanálise com a pretensão de formar “psicanalistas” com programas suspeitos e contrários às formações de peso Nacional e Internacional

Foto: AFP

A pessoa não apenas realiza muito mais rapidmente e com menor gasto afetivo a intenção de tomar conhecimento do que traz oculto em si mesma, como adquire na própria carne, por assim dizer, impressões e convicções  que procura em vão nos livros  e nas conferências.” S.Freud, in Recomedações  ao  médico(?) que pratica a psicanálise.

O nosso Brasil ultimamente, através  dos Órgãos Governamentais e empresários da iniciativa privada, particularmente os de Universidades particulares, como é o caso recente no Estado do Paraná, associados com o poder político e influenciador de algumas facções Religiosas Evangélicas, aprovaram “Cursos Universitários”, ou Faculdades de Psicanálise com a pretensão de formar “psicanalistas” com programas suspeitos e contrários às formações de peso Nacional e Internacional. Por sinal, na ocasião não foram consultados pelo Ministério da Educação,por razões políticas, mercantilistas e religiosas os psicanalistas de referencia do país.

Enfim, caro leitor, estamos vivendo uma “febre de formações de psicanalistas, contrária às condições básicas, há mais de um século de experiência internacional e nacionais que  definem as condições essenciais para poder ser psicanalistas: Análise pessoal de alta freqüência(4 a cinco anos de análise pessoal; em torno de duzentas horas de Supervisão de casos clínicos e um curso teórico abrangendo  várias escolas, de num mínimo quatro anos. Na linguagem atual, criaram uma  “Psicanálise Sanduíche”.

A Psicanálise desde Freud nunca se afastou da sua função terapêutica(não no sentido positivista do modelo médico e psicológico comportamental). A Psicanálise que se ensina nos cursos de pósgraduação em Universidades de monta, senso  estrito e lato, abrange um estudo profundo das Teorias Psicanalíticas e não a FORMAÇÃO DE CLÍNICOS  para exercerem sua prática em seus consultórios e instituições. No tocante à prática, é fundamental ensinar as teorias da Técnica, a Técnica e habilitar seus analistas em formação a desenvolverem seus Estilos próprios, pois a experiência analítica tem uma finalidade de exigir do psicanalista condições de uma cultura pessoal nas áreas de filosófica, sociologia, ética,  artes, literatura e teologia(não religiosa), além de se esperar do analista em formação, uma capacidade de apreensão estético-artística da realidade externa e interna( realidade psíquica). Como adquirir tudo isso num curso de graduação com titulação de bacharel? Confesso a ironia de que é uma “piada” e um perigo, pois lidamos com a saúde psíquica da população! Curso de formação de psicanalistas têm o mesmo peso e o compromisso social de ser um experiência  de pós-graduação e não de graduação.

Lidamos com os sentimentos humanos, com compaixão e ternura, com fantasias conscientes e inconscientes por parte dos analistas e não por regras técnicas , orientações psicopedagógicas, conselhos e orientações morais e religiosas, como se tudo que se instala no Inconsciente individual fosse conseqüências de “ atos diabólicos” que devessem ser exorcisados.

É óbvio que todo esse interesse ideológico e mercantilista que a cada dia prolifera nas “políticas públicas” não  merecem ser pensados como forma de controle social, religioso, político e autoritário de governos  que não têm interesse em saúde pública e ideologia humanista.

No entanto, o que nos deixa um pouco aliviado é que, como a Clínica é  Soberana, cabe aos pacientes ou analisandos dos atuais e futuros Bacharéis em Psicanálise,  ser capazes e críticos  em  separar o joio do trigo e a população não sofra tanto com os  chamados efeitos colaterais, tão decantados com o nome de conseqüências patológicas provenientes  das patologias dos próprios psicanalistas mal formados (iatrogenia).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Que tipo de analista é você? Um artesão em cerâmica?É um pintor?Um músico?Um escritor?. Em minha experiência, uma grande maioria dos psicanalistas não sabem na realidade que tipo de artista são”.

Wilfred W. Bion.

Não sejamos técnicos, teóricos, legistas, controladores das mentes humanas em sofrimento! Espera-se que tenhamos uma formação sólida, humanista, ética e que não se usem a Psicanálise como forma de exercer poder político, ideológico, religioso e favorecedor de mais lucros materiais de um capitalismo selvagem!

Carlos de Almeida Vieira Médico, Psicanalista. Membro Titular da Sociedade de Psicanálise  de Brasília, Analista Didata; Membro Efetivo da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo; Membro da Federação Brasileira de Psicanálise e Associação Internacional de Psicanálise (Londres).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE








Você pode gostar