Siga o Jornal de Brasília

Histórias da Bola

Platão não era vascaíno: viajando com a bola nas ondas do rádio

Quando assisto aos jogos horrorosos de futebol, pela TV, lembro-me dos prélios nos quais a minha mente deixava-me à beira do gramado

Willian Matos

Publicado

em

PUBLICIDADE

O filósofo grego Platão, que viveu entre 427 a 348 antes de Cristo, elucubra, por seu diálogo ‘Fedro’, sobre retórica e amor sensual que o inventor da escrita teria sido censurado, por encaminhar o homem para o descuido com a mente.

Quando assisto aos jogos horrorosos de futebol, pela TV, lembro-me dos prélios nos quais a minha mente deixava-me à beira do gramado, vendo o jogo, ouvindo na Rádio Globo, com Waldir Amaral gritando: “Dez é a camisa dele!”. Também, quando Celso Garcia, na mesma emissora, mandava o garoto do placar colocar um novo número nos antigos marcadores de madeira. E quando José Cabral dizia que “A nega tá lá dentro! É bola no filó!”. Eu ‘via’ tudo isso. Como ‘via’ Fiori Giglioti abrindo as cortinas e começando o espetáculo, pela Rádio Bandeirantes, ou o Orlando Baptista, ordenando ao árbitro Aírton Vieira de Moraes, pela Mauá: “Bota a bola no meio,  Sansão!”, o apelido do homem.

Eu tinha nove anos de idade, no dia 2 de março de 1961, quando Alberto da Gama Malcher apitou, o Santos goleou o Vasco, por 5 x 1, e, do seu ataque arrasador – Dorval, Mengálvio, Coutinho, Pelé e Pepe – só “Ele” não fez gol. Até Zito, que não tinha tal obrigação, balançou uma das redes do Pacaembu daquela vez. Rodava tudo, como um filme, em minha mente, inclusive o gol cruzmaltino, do Lorico. Eu ‘assistia’, perfeitamente, Miguel, Bellini, Coronel, Paulinho, Brito, Écio, Sabará, Delém, Pinga (Wilson Moreira), Lorico e Da Silva, além do treinador Paulo Amaral, saindo tristes de campo, enquanto Laércio, Mauro (Formiga), Dalmo, Fiote, Calvet, Zito, Dorval (Sormani), Mengálvio, Coutinho, Pelé e Pepe sorriam. Era como se o cara citado por Platão não tivesse, ainda, inventado nada. 

O rádio decodificava bem as minhas imagens. Naquela idade, eu dominava escrita e mente, e estaria a salvo de censuras, se fosse um grego tão antigo. Lembro-me, também, que transformei o dois de abril de 1961 num dia interminável, vendo o cruzmaltino Delém abrindo o placar, aos 24 minutos do primeiro tempo, Gerson empatando, aos 42, e Babá virando o jogo, para o Flamengo, aos 15 da etapa complementar, como narrava Jorge Curi. Bem distante, geograficamente, eu estava lá na arquibancada do Maracanã, ouvindo José Monteiro apitar e Martim Francisco gritar para Ita, Paulinho, Bellini, Barbosinha, Coronel, Écio, Lorico, Sabará, Delém (Cunha), Pacoti (Joãozinho) e Da Silva, enquanto o feiticeiro paraguaio Fleitas Solich fazia o mesmo para os rubro-negros Ari, Joubert, Bolero, Jadir, Jordan, Carlinhos, Gerson, Babá (Oton), Henrique, Dida e Germano. Outra passagem límpido, pela minha ‘visão radiofônicamente’, fora o espetáculo proporcionado por Ita, Paulinho, Bellini, Coronel, Écio, Barbosinha, Sabará, Lorico, 
Wilson Moreira, Roberto Pinto e Pinga (Da Silva), ainda treinados por Martim Francisco, e pelos santistas Lalá, Mauro, Dalmo, Jorge (Getúlio), Calvet, Urubatão, Dorval, Mengálvio, Álvaro (Sormani), Pelé (Tite) e Pepe, em 13 de abril de 1961, no Maracanã, com gols de Sabará, Wilson Moreira e Pepe.

Três dias depois, numa tarde domingueira, no Pacaembu, o Vasco mandou 2 x 0 no Corinthians, do técnico Alfredo Ramos. Vi, mais tarde, numa daquelas revistas que os aviões da Panair e da Real deixavam no aeroporto de Barreiras, na Bahia, uma foto do goleiro vascaíno Ita caindo e observando a bola sair pela linha de fundo. O filme do lance passava em minha mente em tempo real. Naquele jogo, apitado por Armando Marques, o herói fora Roberto Pinto, marcando aos 36 minutos do 1º tempo e aos 39 do segundo.  O dedo do técnico Martim Francisco funcionara legal contra os corintianos  Cabeção, Jaime, Olavo, Ari Clemente, Sídnei, Oreco, Bataglia (Egídio), Joaquinzinho (Zague), Miranda, Rafael e Neves (Gelson).

Por fim, a máquina da minha memória deixou-me como um cidadão acima de qualquer censura grega, em 22 de abril de 1961, quando o zagueiro Russo marcou um gol contra, aos cinco minutos do primeiro tempo, e a turma de São Januário deixou o Palmeiras ser campeão do Torneio Rio-São Paulo, no Pacaembu, em jogo apitado pelo carioca Wilson Lopes de Souza. Que me desculpe Platão e seus amigos Sócrates e Aristóteles, da Academia de Atenas –primeira instituição de ensino superior do mundo ocidental. Se ele lançasse ‘Fedro’, na próxima edição Bienal do Livro, e nós viajássemos no tempo, eu lhe sugeriria contestar os deuses da Grécia Clássica. Pelo menos, no que viria sobre os tempos do ludopédio mentalizado pelo rádio.


Leia também
Publicidade
Publicidade
Publicidade