Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Blogs e Colunas

Três maneiras de prevenir o “trauma matemático”

Se você quer que seus alunos aproveitem o processo e saiam das aulas de matemática com maior compreensão, use exemplos da vida real

Por Philip Ferreira 25/05/2023 12h02
Foto: Yan Krukau/Pexels

Matemática faz parte do currículo básico de qualquer escola, mas isso não significa que todo mundo goste. Sim, ela nos ajuda a entender e analisar problemas complexos, mas, para muitos alunos, pode ser uma fonte de medo, ansiedade e frustração.

Muitas crianças hoje estão sendo traumatizadas pela aula de matemática. O termo “trauma matemático” foi criado para descrever as emoções negativas associadas a esta disciplina que podem levar à falta de interesse, baixo desempenho acadêmico e baixa autoestima sobre o assunto. Termos como “equação polinomial” devem ser excitantes, não indutores de pesadelo.

Se você deseja que seus alunos realmente aproveitem o processo e saiam com uma compreensão maior, você precisa se tornar relevante. Para isso, use exemplos da vida real em vez do temido problema de palavras para o qual todos reviramos os olhos. Perguntas como “O trem ‘A’ segue para o norte a uma velocidade média de 95 km por hora enquanto o trem ‘B’ viaja…” estão se tornando um gatilho. Então, como você pode ajudar os alunos a evitar o “trauma matemático”?

Aqui estão três maneiras de trazer emoção de volta para a aula de matemática:

1. Construa uma base forte

A chave para prevenir o trauma matemático é construir uma base sólida de seus princípios. A matemática é um assunto que se desenvolve e, quando um aluno luta com um determinado conceito, a frustração só aumenta com o tempo. Concentre-se em ajudar a sua classe a ter uma boa compreensão do básico antes de passar para tópicos mais complexos. Isso pode significar que os alunos precisam de um tutor ou intervenção precoce para maior sucesso. Voltar ao básico não é uma coisa ruim.

Use manipuladores: outra maneira de ajudar a construir essa base é fornecer aos alunos atividades práticas e manipuláveis ​​que os ajudem a visualizar conceitos matemáticos. Use blocos para ensinar adição e subtração ou uma balança para ensinar o que é igualdade, por exemplo. Isso ajuda os jovens a entender a disciplina de maneira tangível. Isso vale para pessoas de qualquer idade, não apenas para crianças pequenas. 

Entenda o processo: enfatize o processo e não o resultado. Em vez de apenas enfatizar o valor de obter a resposta certa, incentive os alunos a explicar como chegaram à resposta. Isso ajuda a reforçar o processo de pensamento por trás da matemática, tornando mais fácil para os alunos entender e aplicar os conceitos. Isso também envolve seu pensamento crítico e habilidades de comunicação que ajudarão em todas as áreas da vida. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

2. Torne a matemática divertida

A matemática pode ser um assunto seco e chato para muitos alunos. Ao torná-lo divertido e envolvente, é mais provável que os eles passem a gostar do assunto. Há muitas maneiras de tornar a disciplina divertida, como incorporar jogos, competições e quebra-cabeças nas aulas. Por exemplo, jogue bingo matemático ou use palavras cruzadas matemáticas como forma de revisar conceitos. 

Use situações da vida real: isso ajuda os alunos a ver a aplicação prática da matemática em suas vidas diárias, tornando-a mais relevante e interessante. Por exemplo, usar compras de supermercado para ensinar adição e subtração ou cozinhar como forma de ensinar frações.

Empregue tecnologia: existem vários jogos e aplicativos interativos que podem tornar o aprendizado de matemática mais divertido e interativo. Ao incorporar a tecnologia nas aulas, os professores podem torná-las mais envolventes para os alunos. Há uma infinidade de recursos online para ajudar; basta fazer uma simples pesquisa no Google. 

3. Incentive uma mentalidade de crescimento

Uma mentalidade de crescimento é uma crença de que a inteligência e as habilidades podem ser desenvolvidas por meio de trabalho árduo e dedicação. Incentivar essa prática nos alunos pode ajudar a prevenir traumas matemáticos, promovendo uma atitude positiva em relação ao aprendizado e disposição para enfrentar desafios. Uma maneira de fazer isso é elogiar o esforço em detrimento da capacidade. Em vez de parabenizá-los apenas quando eles dizem uma resposta certa, reconheça seu esforço e trabalho duro. Isso ajuda a promover a ideia de que o sucesso é alcançado por meio de esforço e persistência, e não apenas de habilidade inata.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Defina metas: estabelecer metas realistas e oferecer oportunidades para que os alunos reflitam sobre seu progresso os encoraja a continuar trabalhando em direção a seus objetivos. E não diminua o esforço necessário para atingir metas menores e mais básicas!

Seja solidário: forneça apoio e encorajamento quando os alunos erram. Incentive-os a ver os erros como uma oportunidade de aprender e crescer, e não como um fracasso. Ao promover uma atitude positiva em relação aos equívocos, é mais provável que os alunos assumam riscos e experimentem coisas novas, o que pode levar a uma compreensão mais profunda e ao prazer da matemática.






Você pode gostar