Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Blogs e Colunas

Especialista em sexualidade dá dicas e explica a diferença entre gozar e ter um orgasmo

Mulheres ainda encontram dificuldades para chegar ao orgasmo, afirma Talita Gois

Por Analice Nicolau 16/10/2021 1h00
Mulheres ainda encontram dificuldades para chegar ao orgasmo, afirma Talita Gois

Apesar de ser algo comum na sociedade, o sexo ainda é um tabu, por isso as pessoas costumam ter ideias erradas sobre o gozo e o orgasmo. A Talita Gois, terapeuta tântrica e especialista em sexualidade, falou sobre o assunto e deu dicas para garantir que o casal “chegue lá”.

O ato de gozar é a liberação de um líquido de forma mecânica e acontece quando o órgão sexual recebe estímulos de fricção na mesma região. As mulheres também podem gozar, apesar dessa situação ser um pouco mais difícil do que nos homens. “Elas têm essa potência de ejacular através de glândulas localizadas próxima a entrada vaginal”, explica Talita.

Enquanto o gozo é sobre o líquido, o orgasmo é uma sensação de máximo prazer da mulher durante a relação sexual. Ainda há muitos boatos sobre esse assunto, pois pouco é se falado sobre o orgasmo. Uma pesquisa da Universidade de São Paulo (USP) feita com pessoas de 18 a 70 anos revelou que dificuldade de ter orgasmo é relatado por 55,6% das brasileiras.

É importante entender que o corpo de cada mulher funciona de um jeito. “Cada uma exerce a sexualidade da sua maneira. Existe quem se relaciona com outras mulheres, quem gosta das posições ousadas, quem prefere fazer sexo quando há amor envolvido. Para que uma mulher sinta prazer na relação sexual é necessária uma combinação de fatores físicos e psicológicos”.

Talita revela que para aumentar a possibilidade de a mulher ter um orgasmo é necessário que ela esteja lubrificada durante o ato sexual e pronta para ele. “No ponto de vista psicológico o orgasmo está diretamente ligado as nossas emoções, crenças, bloqueios e traumas. Por isso muitas mulheres não conseguem chegar a esse nível de prazer”.

Outra diferença com o gozo é que o orgasmo dá sinais manifestando contrações involuntárias na parte externa da vagina, os lábios vaginais também ficam inchados e podem ficar mais escuros, além disso o bico do seio fica mais rígido e o clitóris fica mais sensível ao toque.

Para ter um momento íntimo ainda mais prazeroso, Talita diz que as preliminares são essenciais. A especialista afirma também que é importante explorar outras partes do corpo, assim como o diálogo sobre o que o parceiro(a) gosta ou não. “Hoje vivemos um roteiro sexual e não temos chance para que nosso corpo responda em liberdade. Devemos com certeza deixar que os nossos instintos nos guiem e assim possamos ter relações mais intensa”, finaliza.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE








Você pode gostar