Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Analice Nicolau

Luciano Huck revela que votou em branco nas eleições de 2018 em Conversa com Bial

Apresentador foi convidado de Pedro Bial, no programa desta terça-feira, 15, e ainda contou sobre a responsabilidade de assumir lugar de Faustão.

Por Analice Nicolau 16/06/2021 12h00
Luciano Huck revela que votou em branco nas eleições de 2018 em Conversa com Bial Luciano Huck

Luciano Huck foi o convidado da vez desta terça-feira, 15, do ‘Conversa com Bial’. No bate-papo, Huck que é cotado como um dos presidenciáveis de 2022, falou sobre a vida política e ainda contou sobre o seu voto em 2018, na disputa entre Jair Bolsonaro (Sem Partido) e Fernando Hadadd (PT).

Sem dúvidas, Luciano Huck é um dos apresentadores de televisão de maior destaque dos últimos anos. E coma saída de Fausto Silva, da grade da Globo, no final de 2021, o nome dele foi confirmado para comandar as tardes de domingo.

“Eu estou vendo esse desafio como o mais importante da minha carreira e vou dedicar cada dia, cada minuto para que ele seja um espelho da nossa sociedade e de tudo que a gente tem de bom”, comentou Huck.

Bial aproveitou para perguntar sobre a vida política do apresentador. “Acho bom eu deixar a fotografia bem clara e ser o mais franco e o mais sincero possível: eu nunca me lancei candidato a nada.”

Sobre a votação de 2018, entre Bolsonaro e Haddad, Luciano aproveitou para se posicionar sobre o assunto. “Eu votei em branco na última eleição, é o que eu devia ter feito e fiz com bastante tranquilidade. Os dois candidatos que se apresentavam naquela época, eu não me sentia representado por nenhum dos dois. Votei em branco e votaria de novo”, comentou Huck.

“Do jeito que estamos hoje, com uma narrativa negacionista potente, que nos atrapalha, eu realmente acho que não é hora de debater eleições ou nomes. Acho que temos que debater ideias para os problemas que temos que enfrentar de educação, geração de renda e emprego”, contou.

O apresentador ainda completou: “Eu acho que a democracia foi uma conquista. Quem a defende estará de um lado, quem não defende está de outro. E eu estarei sempre, em qualquer tempo, do lado da democracia”, completou.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar