Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Analice Nicolau

Ator Lucca Bhering Garretano decide focar na carreira artística

“A vez que me vi mais feliz, foi em cima do palco atuando no musical de Hairspray”

Por Analice Nicolau 24/06/2021 6h00
Lucca Bhering Garretano Lucca Bhering Garretano

O ator e jovem carioca, Lucca Bhering Garretano de Barros Mattos, aos 20 anos, tem uma grande paixão pelo palco e iniciou todo seu ensinamento no teatro, ainda no fundamental com a peça “A Caravana da Ilusão” de Alcione Araujo no interior de São Paulo, Ribeirão Preto.

E alguns anos depois, fez uma peça no final do Colegial do famoso filme, “Hairspray” de Marc Shaiman e Scott Wittman. Com lado incerto que a arte ainda traz para muito talentos, Lucca, trocou a arte pela gastronomia, mas conhecendo o ambiente de trabalho mais afundo e não concordar com algumas coisas.

Segundo Lucca, ele estava tão triste e estressado com a vida que levava, até um grande amigo, em um certo dia, disse que a vez que tinha visto ele feliz era em cima do palco e fez ele pensar durante à noite, e teve a certeza de que não se via em outro lugar, do que retornar e focar na carreira.

Entusiasmo, retornou a sua cidade natal, no Rio de Janeiro começou os estudos na CAL- Casa das Artes de Laranjeiras, mas enxergando uma oportunidade maior capital paulista transferiu para a faculdade Belas Artes.

Para Lucca, o trabalho como ator é a oportunidade de se pôr na vida de outras pessoas. “Tenho dois objetivos, poder interpretar outras vidas, outros psicológicos com formas diferentes de se pensar, personagens loucos, personagens galãs, com diferentes qualidades e defeitos. O segundo é fazer com que as pessoas saiam de suas rotinas e que nesse momento elas possam esquecer um pouco da vida louca que vivemos ao viajar para dentro da tela, saindo de seu mundo, que seja por apenas alguns minutos no enredo apresentado”, finaliza.

Tenho dois objetivos, poder interpretar outras vidas, outros psicológicos com formas diferentes de se pensar, personagens loucos, personagens galãs, com diferentes qualidades e defeitos. O segundo é fazer com que as pessoas saiam de suas rotinas e que nesse momento elas possam esquecer um pouco da vida louca que vivemos ao viajar para dentro da tela, saindo de seu mundo, que seja por apenas alguns minutos no enredo apresentado”, finaliza , Lucca

A descoberta das artes em sua vida aconteceram de forma gradual. Matriculado no curso de gastronomia, o ator reencontrou um amigo que lhe relembrou como fora para ele estar em um palco. Foi aí que ele se deu conta de que era o que gostaria de seguir. ”Eu fazia faculdade de gastronomia em Ribeirão Preto, trabalhava na cozinha de um bar e saía sempre de lá muito irritado e triste. Um tempo depois encontrei um amigo e ele dizia que nunca tinha me visto tão triste e tão estressado. Ficamos conversando por horas, até que ele me disse que a vez que ele me viu mais feliz, foi em cima do palco atuando no musical de ‘Hairspray’. Isso me fez querer interpretar outras almas e outras vidas com pensamentos e opiniões diferentes. Dormi com isso na cabeça e já no dia seguinte tranquei gastronomia e comecei a procurar locais para fazer artes cênicas.

Apesar de certo de sua decisão, a família não foi de máximo apoio no primeiro momento. “A princípio não me apoiaram, diziam que era besteira. Mas depois de muita conversa consegui mostrar a toda a família que era isso o que me fazia feliz. Lembro que meu pai, uma semana antes me disse “por que você anda tão entediado, tão triste e tão irritado?” quando eu retornei essa frase a ele perguntei quando foi a última vez que ele me viu realmente feliz. Foi quando ele começou a me dar total apoio em ser ator”, completa Lucca.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A música foi algo que sempre esteve presente na vida do ator. Ele é primo da cantora Bia Barros, conhecida no mundo da música como Beari. “Minha família toda é muito ligada a música. Mas de mais específico, minha prima Bia Barros (Beari), que foi uma inspiração para eu realmente seguir no ramo do cinema e da televisão. Quando vi que era possível logo fui correndo atrás”.






Você pode gostar