Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Analice Nicolau

Jackson Caettano convida Regina Duarte para live sobre ‘atuação’: ‘a arte está acima do bem e do mal’

Longe da televisão, atriz agora se dedica as redes sociais e momentos de autoconhecimento.

Por Analice Nicolau 21/06/2021 12h00
Jackson Caettano e Regina Duarte Com muita intimidade, os atores contaram sobre a paixão pela profissão e até mesmo da censura da arte.

O ator Jackson Caettano convidou nesta sexta-feira, 19, a atriz Regina Duarte para uma live no Instagram sobre ‘Atuação’. Com muita intimidade, os atores contaram sobre a paixão pela profissão e até mesmo da censura da arte.

No bate papo, a atriz fez referência ao trabalho de time dentro e fora do ‘jogo’. “Nossa profissão é igual ao futebol, é um time, temos que saber todas as posições. Tem a turma do ataque, da defesa e o meio de campo, e a bola fica passando de um para o outro. Assim como na atuação, nas falas você tem que ouvir a musicalidade das coisas que estão acontecendo, para chegar no objetivo que é fazer o gol. (…) A brecha é a emoção do telespectador. É a junção da equipe que planejou e criou todo esse espetáculo. Tudo é voltado para a plateia”, comentou Regina.

Ao mesmo tempo que fui a Brasília defender uma cena, o que mais me incomoda é que o fato de que as pessoas não percebem que a arte não está a serviço de nenhum time, nenhuma religião. A sociedade precisa da arte, para descobrir zonas de amor e aceitação”.comentou Regina ao Ator Jackson

Jackson ainda comentou sobre a visão de Regina sobre a censura da arte. “A censura é uma coisa humana. A humanidade é Deus e o diabo, coisas contraditórias. Se eu sou a favor de uma coisa, vai existir alguém que não concorda com comigo. A censura é uma grande dificuldade para o artista. A arte não julga ninguém, a arte está acima do bem e do mal”, comentou ela.

A atriz ainda completou: “Ao mesmo tempo que fui a Brasília defender uma cena, o que mais me incomoda é que o fato de que as pessoas não percebem que a arte não está a serviço de nenhum time, nenhuma religião. A sociedade precisa da arte, para descobrir zonas de amor e aceitação”.

Na minha época de censura, o artista quando era pressionado, ele criava alguma coisa maravilhosa, na música, no teatro, no cinema, nas obras plásticas. A cultura nunca parou por causa da censura. O brasileiro sempre deu um jeito no que precisava ser comunicado. Eu tenho muita esperança [na nova arte], eu vivi uma censura naquela época e hoje é totalmente diferente”, comentou.

Apaixonada por atuar, escrever roteiros e dirigir, Regina está longe das telinhas, e contou na live que está “passando por um momento de autoconhecimento e se dedicando bastante a comunicação nas redes sociais”.

Confira o bate-papo






Você pode gostar