Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Analice Nicolau

Em meio a críticas a Sonza, influencer Flávia Costa rebate comentários preconceituosos: “Adoro ser comparada a travesti, como não amar pessoas tão maravilhosas?!”

Flavia Costa conta que esse tipo de comparação começou desde a adolescência

Por Analice Nicolau 15/04/2021 8h38
Flávia Costa Flávia Costa

Nesta semana, Luisa Sonza foi, mais uma vez, alvo dos ataques nas redes sociais. A polêmica da vez foi a comparação da aparência física da cantora com travestis. Diversos famosos saíram em defesa da artista, mas o fato é que diversas mulheres também passam por isso, dentro e fora da internet, como a influencer Flávia Renata Farias da Costa.

A influencer conta que esse tipo de comparação começou desde a adolescência e se estendeu até o mercado de trabalho. “Uma amiga que era apresentadora de TV me chamou para um trabalho, na época, um lançamento de moda praia e como rainha de bateria de uma escola de samba. O colega de trabalho dela, perguntou se eu não era a “Flávia Travesti” e ela peitou a situação, e afirmou que eu sou mulher, e questionou se teria algum problema se fosse”, contou.

E nas redes sociais, a confusão também acontece, assim como os comentários de que Flávia se parece mais com travesti do que mulher. “Gosto sim que me comparem com essas mulheres guerreiras e maravilhosas, como não gostar? Isso tudo começou com meu jeito de falar e estilo. Meu melhor amigo, David Brazil, me falou que esse é o meu diferencial e não tenho nada para me envergonhar. Então acho que a comparação é boa e o que vale é que na minha vida nada muda. Precisamos ter saúde e se preocupar com essa pandemia que ainda não está nem perto de acabar”.

Ela ainda defende as travestis e critica a empatia da sociedade. “Eu sou mulher, classe média e tenho trabalho. Agora, imagina quem realmente é travesti?! Ninguém nem imagina o que elas passam, sem trabalho, vindo de uma classe minoritária, sem a ajuda dos pais. E na maioria das vezes, a rua é a solução. Cabe a nós mulheres e homens sermos mais humanos”, encerra.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar