Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Blogs e Colunas

Dr. Carlos Marcelo: Especialista aponta avanços na Medicina da Dor e inovações no tratamento da dor crônica

O médico enfatizou a importância de uma abordagem sistemática, compreendendo a experiência do paciente em relação à dor e, em seguida, a busca de um diagnóstico preciso

Por Analice Nicolau 09/02/2024 9h00

O Dr. Carlos Marcelo de Barros, renomado médico especializado em cuidados paliativos e tratamentos intervencionistas da dor, compartilhou suas perspectivas sobre o cenário atual da medicina da dor e as tendências para o futuro. Em uma entrevista abrangente, o especialista destacou a evolução dos tratamentos disponíveis, os desafios enfrentados pelos profissionais da saúde e o papel crucial da abordagem multidisciplinar na gestão da dor crônica.

O médico abordou a preocupante banalização do diagnóstico de fibromialgia, uma condição caracterizada por dor generalizada. Ele ressaltou que a doença é frequentemente diagnosticada sem uma investigação aprofundada, o que pode resultar em atrasos significativos no tratamento adequado.

“Hoje, há dezenas, senão mais de 20 causas potencialmente curáveis que evoluem com dor generalizada semelhante. Pacientes com artrite reumatoide, lúpus, obesidade e síndrome metabólica, por exemplo, podem receber o diagnóstico equivocado de fibromialgia. O tratamento da patologia real é adiado, comprometendo a qualidade de vida do paciente”, explicou o especialista.

Durante a entrevista sobre o tema, ele enfatizou a importância de uma abordagem sistemática, primeiro compreendendo a experiência do paciente em relação à dor e, em seguida, buscando um diagnóstico preciso. Muitos pacientes, mesmo com um diagnóstico, podem não ter fibromialgia, e identificar corretamente a causa da dor é crucial para um tratamento eficaz.

Os cuidados paliativos, frequentemente associados a doenças oncológicas, foram destacados pelo Dr. Carlos Marcelo como uma abordagem essencial para pacientes com doenças crônicas ameaçadoras da vida. Ele esclareceu que o escopo desses cuidados vai além do câncer, incluindo condições como insuficiência renal avançada, doenças reumatológicas e autoimunes avançadas, e doenças pulmonares avançadas.

Dr. Carlos enfatizou a abordagem humanizada e multidisciplinar nos cuidados paliativos, que envolve não apenas medicamentos, mas também intervenções físicas, emocionais e psicológicas. Ele mencionou técnicas intervencionistas, como a desativação de nervos para aliviar dores localizadas, como uma opção eficaz para muitos pacientes.

“Temos tecnologias inovadoras, como laser, ondas eletromagnéticas, ondas de choque e terapias com fotocêuticos , que são não invasivas e aplicáveis em vários tipos de dor”, afirmou o Dr. Carlos Marcelo, destacando o constante desenvolvimento de opções de tratamento.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O especialista abordou também a prevenção da dor crônica, enfatizando a importância de hábitos saudáveis, como boa alimentação, prática de atividade física moderada, sono adequado e cuidado com a saúde mental. Segundo o anestesiologista, essas práticas podem ajudar a reduzir a incidência de dor crônica na população. “ Cerca de 70% do sucesso do tratamento depende do comprometimento do paciente em modificar fatores que contribuem para a dor, como dieta e atividade física,” alegou.

Ao vislumbrar o futuro da medicina da dor, o Dr. Carlos expressou otimismo quanto à sua crescente importância. Ele prevê que a medicina da dor se tornará uma das maiores especialidades nas próximas décadas, pois os pacientes estão cada vez menos dispostos a aceitar uma vida comprometida pela dor.






Você pode gostar