Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Analice Nicolau

A informação, sem consciência, também, faz muito mal à saúde mental e emocional

Psicanalista , Ricardo Prado escreve esse artigo para a coluna

Por Analice Nicolau 12/04/2021 8h36
Ricardo Prado Ricardo Prado

Se não trazemos consciência ao que está sendo captado e armazenado através de nossos sentidos nos tornamos, apenas, acumuladores de informação com grande potencial de controlar nossos estados emocionais. Sentimos essa influência, mas não criamos consciência sobre esse processo. Não tornamos consciente do quanto o que é captado, altera nosso estado emocional. Essa alteração, geralmente, é silenciosa e só é percebida quando, literalmente, “estouramos” em alguma emoção incontrolável ou percebemos desordens orgânicas – físicas – que trazem o alerta do quanto estamos saturados nos níveis mental e emocional e à beira de uma overdose.

Ainda vivemos um momento onde experimentamos níveis altíssimos de desequilíbrio emocional permeado por dúvidas, medos, indecisões, falta de perspectiva, raiva, insegurança, tristeza e muita, mas muita ansiedade. Estamos nos transformando em coletores de informações inconscientes. Nesse momento de indefinição e incerteza, existe um impulso natural na busca de informações que devido à necessidade de segurança, mas esse processo exige uma considerável dose de discernimento sobre o que tem o poder de estabilizar ou desestabilizar nosso estado emocional, afetando negativamente nossos relacionamentos e muitas outras áreas.

Percebemos mudanças de pensamento, sentimento e comportamento, mas não percebemos que são apenas efeitos de tudo que estamos acumulando, inconscientemente, no nível das informações. Você já percebeu como a música tem o poder de afetar seu estado emocional? Quando você está ouvindo ou lendo qualquer tipo de informação, o processo funciona da mesma forma. A mudança necessária nesse sentido é perceber que, tudo que está disponível a você no nível da informação é apenas um ponto de vista, não uma verdade. É você quem decide se isso fará parte ou não de suas verdades de vida. Olhando o processo dessa forma, já se tornará muito mais consciente.

Olhar por esse ponto de vista é um diferencial para toda e qualquer informação adquirida. Pergunte-se sempre: “Isso me ajuda e me acalma ou me atrapalha e me desestabiliza? Como estou recebendo isso? Estou coletando ou estou avaliando? Esse ponto de vista faz sentido para meu bem-estar emocional?”. Aprenda a olhar para seus sentidos e corpo como eficientes filtros emocionais. Preste atenção em seu corpo quando estiver ouvindo ou lendo sobre essa ou aquela questão. Seu corpo, certamente, lhe responderá. Vivemos um momento onde a grande chave para o bem-estar se encontra no discernimento.

Ricardo Prado

Psicanalista Humanizado. Mentor. Consultor de Relacionamentos e Comportamentos. Tratamento e Ressignificação de Padrões Mentais, Traumas, Neuroses e Dores Emocionais. Inteligência Emocional. Comunicação Empática. Escuta Ativa. Autenticidade. Espiritualidade e Reconexão com o SELF.
Instagram: @ricardopradopsi
Whatsapp: 11 99384 2676

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar