Jornal de Brasília

Informação e Opinião

JBr TV

JBr News
JBr News #171 – Tudo no colo do Pazuello?
JBr News
JBr News #170 – CPI terá uma semana de silêncios eloquentes?

O cantor, compositor e produtor Pedro Blum apresenta o clipe de seu segundo lançamento do ano: “Eu odeio te amar”, uma música que aborda o sentimento autodestrutivo de um amor tóxico e revela a importância da responsabilidade afetiva em um relacionamento. A letra foi cuidadosamente elaborada por Pedro Blum em parceria com Tállia Alexandrino, conhecida por assinar hits como a “Favela chegou”, de Anitta e Ludmilla, e “Cancela”, de Carol Biazin.

Com uma estética melancólica, a canção se debruça em uma combinação de voz e piano, com batidas programadas e expressivos backing vocals. O clipe, disponível dia 13 de maio no YouTube, foi roteirizado, co-produzido e editado pelo próprio artista. A direção é de Philipe Rios (Pheijão), a fotografia é de Tiago Kashiwabara e a direção de arte é de Julia Kikoler.

A composição foi inspirada em experiências amorosas mal sucedidas, infelizmente tão comuns nos dias atuais, como explica Blum: “em tempos de ‘amores líquidos’, marcados por relacionamentos rasos, falta de comunicação e inseguranças, queremos alertar as pessoas para um tema tão importante, que é a mensagem principal da música: colocar-se em primeiro lugar e ressaltar a importância do amor próprio”.

O clipe é o desfecho de uma história de três capítulos, que começou a ser contada nos dois clipes anteriores: “E aí” e “Eu sou esse cara”, apresentando registros de ambos, através de fotografias polaroids. A produção apresenta técnicas de slow motion e usa uma linguagem artística para retratar um homem que é obcecado por um amor que deixou de ser correspondido. “Tentamos recriar esse ambiente emocionalmente carregado com o objetivo de traduzir essa sensação pesada de apego, que chega a ser doentio”, comenta Blum a respeito do processo de criação do clipe.

A produção musical e direção artística de “Eu odeio te amar” é de Filipe Soares – que coleciona trabalhos com grandes nomes da música como Anitta, Luisa Sonza, Di Ferrero, entre outros – e Gabriel Salles, que já teve ao menos 10 trabalhos nominados ao Grammy Latino, por meio de artistas como Tiago Iorc, Anavitória e Martinho da Vila. Para este lançamento, a aposta foi em elementos que ressaltassem a dramaticidade do tema, através de um marcante arranjo de piano com uma batida eletrônica, resultando na combinação de uma canção triste com uma atmosfera moderna.

Blum planeja lançar ao menos mais quatro singles e um EP, ao longo deste ano, que prometem destacar mais ainda a sua estética musical, mesclando elementos do pop urbano, do reggaeton, com batidas eletrônicas e uma pegada de flow na voz.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Conexão JBr – Entrevista com Pedro Blum

Duas semanas de depoimentos aparentemente começam a consolidar a impressão de responsabilidades do governo Bolsonaro pelas mais de 400 mil mortes pela Covid-19. Resultados que parecem ter reflexos: se confirmado o que diz a pesquisa Datafolha, o governo vive seu pior momento em termos de popularidade e vê crescer seu principal adversário para 2022, o ex-presidente Lula. É correta a ideia de que o governo derrete? Ou o percentual de apoio que tem da população ainda lhe garante a possibilidade de reação? Para tratar desses temas, o podcast Imagem&Credibilidade/Jornal de Brasília desta semana traz como convidada a jornalista Helena Chagas, do Tag Report.

Imagem & Credibilidade #079 – CPI, pesquisas, eleições: será que o governo derrete?
JBr News
JBr News #169 – Pazuello em seu labirinto