Siga o Jornal de Brasília

Saúde

Equipamento usa Inteligência Artificial para detectar glaucoma

Um alerta da Organização Mundial da Saúde (OMS), mostra que são registrados 2,4 milhões de novos casos da doença anualmente

Publicado

em

Foto: Agência Brasil

Da Redação
redacao@grupojbr.com

Um projeto liderado pelo Prof. Dr. Edson Gomi, membro do IEEE (The Institute of Electrical and Electronics Engineers) e professor da USP, em parceria com o Laboratório de Glaucoma da Universidade de Campinas (Unicamp), busca melhorar a precisão no diagnóstico e tratamento do glaucoma. 

O projeto reforça os novos algoritmos que auxiliam os oftalmologistas a garantirem melhor precisão no diagnóstico da doença ocular que provoca lesões no nervo ótico e pode levar a cegueira.

Um alerta da Organização Mundial da Saúde (OMS), mostra que são registrados 2,4 milhões de novos casos da doença anualmente. Esse valor, no Brasil, equivale a cerca de 40 mil pessoas. Dessas, 33% só procuram por tratamento quando o grau do glaucoma já está em estágio avançado. 

O projeto foi desenvolvido por meio do método de ‘aprendizagem de máquina’, onde o sistema é alimentado com dados fornecidos pelos exames de pacientes com suspeita da doença. Após processar todas as informações, o algoritmo avalia se o paciente possui ou não glaucoma. “Alimentamos o algoritmo com dados clínicos, ou seja, as características de alguém que têm ou não têm glaucoma. O algoritmo apresenta uma avaliação positiva ou negativa, com parâmetros estabelecidos pelo médico”, comenta o membro do IEEE.

Ainda segundo Gomi, o algoritmo procura reduzir possíveis erros nos diagnósticos de Glaucoma a partir da avaliação dos exames de campo visual e de tomografia de coerência óptica. Ele verifica a espessura da fibra nervosa óptica e revela se o caso é glaucoma ou não. Gomi também ressalta que o uso do algoritmo permitirá processos de diagnóstico mais eficazes, pois mais pessoas serão diagnosticadas e atendidas em menos tempo.


Você pode gostar
Publicidade