fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Saúde

Cuidados com a visão podem prevenir acidentes

Em tempos de pandemia, muitas pessoas optam por viajar de carro

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

As férias estão chegando. Nesse ano tão atribulado, muita gente está pensando em pegar o carro e cair na estrada. Os cuidados, no entanto, precisam ser redobrados já que, tradicionalmente, essa época registra um aumento sensível na quantidade de acidentes de trânsito: nos últimos anos, aproximadamente 280 mil ocorrências nas estradas brasileiras. De acordo com a Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (Abramet), um dado alarmante é que não são problemas mecânicos os principais causadores de acidentes, mas os problemas de visão – além da falta de atenção e ingestão de bebida alcoólica – que estão entre os maiores responsáveis por mortes e feridos nas vias. “Doenças de visão e problemas refracionais podem diminuir a acuidade ou o campo visual do motorista, o que pode alterar seus reflexos, comprometendo sua habilidade motora e a tomada de decisões exigidas no trânsito”, explica o oftalmologista Dr. Jonathan Lake, Diretor Médico do Grupo Opty. Ele defende que, além da revisão mecânica do veículo, visitas regulares ao oftalmologista ajudam a aumentar a segurança de quem vai dirigir pelas estradas do país.

Por isso, o médico ressalta a necessidade de realizar o exame oftalmológico de rotina, que verifica a visão central, responsável por identificar os detalhes; a visão periférica, que constata a capacidade visual frontal e ao redor do campo de visão; além dos vícios de refração. “Ao usar um lente com o grau defasado, o motorista está aumentando significativamente a possibilidade de sofrer ou provocar colisões”, assegura Jonathan Lake. Ele destaca ainda que a ardência nos olhos, a fotofobia e o ofuscamento à noite pelos faróis também podem atrapalhar muito. “Na maioria das vezes, a ardência é causada por olho seco, exacerbado pelo vento, ar-condicionado e muito tempo de concentração. Para evitar o problema, recomenda-se lubrificar os olhos, piscar com frequência e não dirigir mais do que duas horas seguidas sem parar para lavar o rosto com água fria. Já a fotofobia pode ser amenizada com uso de óculos de proteção solar com antirreflexo e proteção contra raios ultravioletas e o ofuscamento pode ser amenizado com o uso de lentes especiais”, orienta o especialista.

Problemas como catarata, glaucoma, degenerações retinianas, visão monocular e até mesmo o estrabismo também tendem a dificultar o desempenho do motorista. Segundo o Dr. Jonathan, o que preocupa é que mesmo as pequenas variações na visão podem trazer dificuldades sutis. Como consequência, promovem a redução no tempo de reação do condutor do veículo. “Um checkup anual é essencial porque nos possibilita descobrir essas alterações logo no início e tratá-las antes de se tornarem graves.” O oftalmologista lembra ainda que pessoas acima de 65 anos devem ter cuidados redobrados com a visão, pois com o envelhecimento há uma queda na acuidade visual. “Os idosos estão mais propensos a desenvolver catarata e glaucoma. Com a catarata, o cristalino vai ficando opaco, o que impede a luz de atravessá-lo e chegar até a retina, resultando em imagens destorcidas. Um perigo para quem pega o volante”, enfatiza.

O médico é categórico ao afirmar que a combinação álcool e volante deve ser evitada sempre. Além de produzir prejuízos sensoriais e cognitivos, a ingestão desse tipo de bebida compromete o sistema visual, diminuindo o filme lacrimal e distorcendo a imagem que se forma na retina, produzindo halos, conhecidos como círculos luminosos. O álcool altera ainda a noção de distância e profundidade, por comprometer os músculos que controlam o foco da visão (musculares ciliares). A pupila, responsável por controlar a entrada de luz nos olhos, contraindo com o excesso de iluminação e dilatando em ambientes mais escuros, também pode se dilatar na presença de bebidas alcoólicas e prejudicar o foco. “Estar no comando de um veículo é uma responsabilidade não só com a própria vida, mas, principalmente, com a vida de outras pessoas”, conclui Dr. Jonathan Lake.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade