fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Política & Poder

Weintraub diz à PF que usou humor em críticas à China nas redes sociais

Ele se disse ofendido por estar sendo investigado por racismo e justificou que o “método abordado” na publicação nas redes sociais que ensejou o inquérito “incluiu elementos de humor”

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

MATHEUS TEIXEIRA E MARCELO ROCHA
BRASÍLIA, DF

Em depoimento por escrito entregue à Polícia Federal nesta quinta-feira (4), o ministro da Educação, Abraham Weintraub, manteve as afirmações sobre a China que o levaram a responder a um inquérito no STF (Supremo Tribunal Federal) por racismo.

À PF, Weintraub afirmou que não tratou os chineses com discriminação ao satirizar o sotaque de asiáticos que moram no Brasil para insinuar que o país oriental sairá fortalecido da pandemia do novo coronavírus.

Ele se disse ofendido por estar sendo investigado por racismo e justificou que o “método abordado” na publicação nas redes sociais que ensejou o inquérito “incluiu elementos de humor”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O ministro também alegou que sua afirmação está protegida pela liberdade de expressão e ressaltou que “há fortíssimas evidências de que o vírus foi criado em laboratório e que o Partido Comunista Chinês escondeu o início da pandemia e informou à OMS (Organização Mundial da Saúde) que não havia contágio entre humanos”.

Weintraub compareceu à sede da PF para prestar depoimento no inquérito aberto a pedido da PGR (Procuradoria-Geral da República), e autorizado pelo ministro Celso de Mello, relator do caso no Supremo.

A solicitação da procuradoria ocorreu após Weintraub publicar no Twitter a capa de um gibi com a bandeira chinesa e postar uma mensagem trocando a letra “R” por “L”, como faz o personagem Cebolinha, da Turma da Mônica.

“Geopolíticamente, quem podeLá saiL foLtalecido, em teLmos Lelativos, dessa cLise mundial? PodeLia seL o Cebolinha? Quem são os aliados no BLasil do plano infalível do Cebolinha paLa dominaL o mundo? SeLia o Cascão ou há mais amiguinhos?”, escreveu.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A mudança das letras ridiculariza o sotaque de muitos asiáticos ao falar português. Weintraub apagou a publicação, que também sugeria que a China poderia ter ganhos com a crise da Covid-19.

Na época, a embaixada chinesa afirmou que “tais declarações são completamente absurdas e desprezíveis, que têm cunho fortemente racista e objetivos indizíveis, tendo causado influências negativas no desenvolvimento saudável das relações bilaterais China-Brasil”.

O ministro passou cerca de 20 minutos no prédio da PF. Na saída, uma claque o aguardava, e ele foi carregado nos braços de apoiadores.

Os investigadores receberam o documento de quatro páginas com o depoimento, mas o procedimento pegou os investigadores de surpresa, uma vez que a previsão inicial não era fazer a oitiva por escrito.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Diante da situação inesperada, os investigadores irão avaliar a situação e informar o fato ao ministro relator, a quem caberá decidir sobre a validade desse documento.

No depoimento por escrito, ele afirma que a postagem teve o objetivo de abordar “um tema da maior seriedade, sem ser enfadonho, na dinâmica própria das redes sociais”.

O intuito, segundo Weintraub, foi levantar o debate sobre o papel do PCC (Partido Comunista Chinês) na pandemia. A publicação, diz o ministro, não se dirigiu ao povo chinês.

“Geopolítica é a política entre os países, não a relação entre povos”, argumenta. Ele acusa, ainda, o país asiático de ser “campeão de violações aos direitos humanos” e de viver uma “ditadura comunista de partido único que despreza os princípios que regem uma democracia liberal”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Eu, que tenho orgulho de descender de judeus, negros, cristão, índios e uma profusão de etnias, fico ofendido por estar sendo investigado por uma acusação de racismo por conta de uma manifestação de conteúdo geopolítico”, conclui.

Na semana passada, o ministro já havia prestado depoimento no inquérito que apura a disseminação de notícias falsas e ameaças a integrantes do Supremo. Nesse outro caso, Weintraub entrou na mira do Supremo após ter sido divulgada a reunião ministerial de 22 de abril em que ele afirma que mandaria todo mundo para a cadeia, “começando pelo STF”.

As informações são da FolhaPress


Leia também
Publicidade
Publicidade
Publicidade