fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Política & Poder

Temer se encontra com presidente libanês e entrega ajuda enviada pelo Brasil

Temer expressou condolências às vítimas da explosão e ressaltou que a ajuda não foi enviada apenas pelo governo brasileiro, mas pela grande comunidade de descendentes de libaneses que vivem no Brasil

Avatar

Publicado

em

Foto: AFP
PUBLICIDADE

A missão brasileira de ajuda ao Líbano chegou a Beirute nesta quinta (13), a bordo de dois aviões da Força Aérea Brasileira.

“Estamos trazendo seis toneladas de alimentos e medicamentos. Mais 4.000 toneladas de arroz virão por via marítima. Além disso, a comunidade libanesa me comunicou, hoje pela manhã, que ainda há mais 20 toneladas arrecadadas”, disse o ex-presidente Michel Temer ao entregar o material, no aeroporto, segundo informações do Ministério da Defesa.

A delegação foi em seguida ao palácio presidencial, para uma reunião com o presidente libanês Michel Aoun. Os senadores Nelsinho Trad (PSD-MS) e Luiz Osvaldo Pastore (MDB-ES) também participaram do encontro, assim como o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, além de outros representantes brasileiros.

Temer expressou condolências às vítimas da explosão e ressaltou que a ajuda não foi enviada apenas pelo governo brasileiro, mas pela grande comunidade de descendentes de libaneses que vivem no Brasil.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Aoun agradeceu o apoio e reafirmou que o Líbano precisará de ajuda internacional para se reconstruir, inclusive para obter materiais de construção, segundo comunicado divulgado pela Presidência do país.

O governo libanês enfrenta uma série de protestos após a enorme explosão que destruiu parte de Beirute no último dia 4. Na capital, manifestantes pedem inclusive a saída de Aoun, acusado pela população de ser um dos responsáveis pela tragédia que deixou ao menos 220 mortos.

A tragédia também afeta a distribuição de alimentos no país, pois o porto de Beirute era a principal entrada de exportações.

Os protestos levaram o primeiro-ministro Hassan Diab a anunciar a renúncia coletiva de seu governo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Convidado por Bolsonaro a liderar a missão, o ex-presidente Temer teve de pedir à Justiça uma autorização para deixar o país. O pedido foi acatado pelo juiz Marcelo Bretas, responsável pelas decisões da Lava Jato do Rio.

Temer, que é filho de libaneses, responde a sete processos que tramitam no Rio, no Distrito Federal e em São Paulo e chegou a ser preso preventivamente em março de 2019.

No total, dois aviões da Força Aérea Brasileira foram ao Líbano. Um deles transporta ventiladores pulmonares, máscaras cirúrgicas, kits de primeiros-socorros e material de construção, além de ao menos 500 cestas básicas e meia tonelada de medicamentos e equipamentos doadas pela Câmara de Comércio Brasil-Líbano. O outro levou a comitiva, que deve retornar ao Brasil nesta sexta (14).

As informações são da FolhaPress

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade