fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Política & Poder

Rachadinha: defesa de Queiroz rebate declaração de ex-assessora de Flávio

Ex-assessora do então deputado estadual confessou que devolvia mais de 90% do salário para o gabinete

Avatar

Publicado

em

Foto: Reprodução/TV
PUBLICIDADE

Após uma ex-assessora que trabalhou para Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa (Alerj) confessar que havia esquema de ‘rachadinha’ no gabinete do então deputado estadual, a defesa de Fabrício Queiroz, ex-assessor, rebateu as declarações. Segundo o estafe de Queiroz, a versão da mulher “não tem valor probatório”.

Os advogados de Queiroz alegam que a ex-assessora, Luiza Sousa Paes, apresentou uma versão “favorável à sua defesa”. “O ordenamento legal lhe assegura o direito de apresentar qualquer versão que entenda como favorável à sua defesa, inclusive versão que não condiga com a realidade”, disse.

Luiza disse ao Ministério Público do Rio (MPRJ) que recebia cerca de R$ 5 mil, ficava com R$ 700 e devolvia o restante, incluindo 13º, férias, vale-alimentação e restituição do Imposto de Renda. Em extratos bancários aos promotores, é possível ver que foi devolvido cerca de R$ 160 mil ao gabinete entre 2011 e 2017.

A funcionária disse ainda que outras pessoas receberam cargos mas também não trabalhavam. Entre elas, estariam duas filhas mais velhas de Queiroz, o chefe do esquema de ‘rachadinha’. As informações são do jornal O Globo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Flávio ataca MP

Nesta quarta (4), veio à tona a denúncia do Ministério Público do Rio (MPRJ) contra Flávio pelo esquema de ‘rachadinha’. O senador se pronunciou sobre a denúncia. Na visão de Flávio, o MP cometeu uma “série de erros bizarros” na ação.

“Não cometi nenhuma ilegalidade. O MP do Rio comete série de erros bizarros em sua ‘denúncia’, às vésperas das eleições municipais”, disse Flávio, nas redes sociais. Na visão do senador, o MP cometeu quebra de sigilos de forma ilegal, distorção de informações fiscais, dentre outras ações supostamente ilícitas.

O senador concluiu afirmando que a Justiça do Rio não deve aceitar a denúncia do Ministério Público. “Acredito que a denúncia sequer será aceita pelo Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro.”




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade