Siga o Jornal de Brasília

Política & Poder

Quebra de sigilo de empresa ligada a Flávio Bolsonaro é suspensa

Justiça do Rio suspendeu as quebras de sigilo bancário e fiscal da MCA, que comprou salas de Flávio Bolsonaro em 2010

Publicado

em

PUBLICIDADE

Da redação
redacao@grupojbr.com

O desembargador Antônio Amado, do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, decidiu por suspender as quebras de sigilos bancário e fiscal da empresa MCA Exportação e Participações e um de seus sócios. A MCA adquiriu 12 salas comerciais do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) em 2010, 45 dias depois dele ter firmado escritura para obter os direitos sobre sete destes imóveis.

Flávio lucrou R$ 504 mil com as vendas, segundo o Ministério Público. A MCA tem como um de seus sócios a Listel, empresa com sede no Panamá. As condições das transações e o envolvimento de uma offshore sediado num paraíso fiscal dão indícios, para o MP, da prática de lavagem de dinheiro.

Os termos da suspensão realizada pelo Tribunal ainda não foram divulgados. O mérito do caso ainda será apreciado pela 3ª Câmara Criminal.

O juiz Flávio Itabaiana, da 27ª Vara Criminal, havia autorizado as quebras dos sigilos da empresa e seus sócios, bem como de outros 21 investigados que realizaram compra ou venda de imóveis do senador. Há suspeitas semelhantes sobre outras duas operações imobiliárias, todas elas reveladas pela Folha de S.Paulo em janeiro de 2018.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O senador nega as suspeitas e afirma se tratar de operações imobiliárias legais. Foi no caso da transação de Flávio com a MCA, contudo, que o Ministério Público cometeu erros ao descrever as transações, como mostrou a Folha.

Ao relatar as operações, a Promotoria relatou que o senador investiu R$ 2,6 milhões nos imóveis quando eles, na verdade, foram financiados. Num dos casos, Flávio havia pago apenas 12% do valor total acertado quando transferiu o direito sobre os imóveis para a MCA, que assumiu as parcelas restantes.

Com informações da Folhapress


Você pode gostar
Publicidade
Publicidade
Publicidade