fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Política & Poder

PL anuncia apoio a Pacheco, e cresce adesão a candidato de Alcolumbre e Bolsonaro

Ao contrário de outras bancadas, a bancada do PL anunciou seu apoio unânime em uma nota curta, sem ressaltar as qualidades de Pacheco

Avatar

Publicado

em

Senador Rodrigo Pacheco. Foto: Agência Senado
PUBLICIDADE

Renato Machado

O PL anunciou nesta terça-feira (12) que sua bancada com três senadores vai apoiar Rodrigo Pacheco na disputa para a presidência da Casa, engrossando o número de bancadas em favor do senador mineiro.

O anúncio acontece no mesmo dia em que o MDB define seu candidato. A bancada deve confirmar nesta tarde o nome da senadora Simone Tebet (MS), atual presidente da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça).

Ao contrário de outras bancadas, a bancada do PL anunciou seu apoio unânime em uma nota curta, sem ressaltar as qualidades de Pacheco.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“O Partido Liberal do Senado oficializou, na tarde desta terça-feira, 12, o apoio à candidatura do senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG) para o cargo de Presidente do Senado Federal”, afirma o texto.

“A decisão, oficializada na data de sua deliberação, foi tomada por unanimidade, segundo posição apurada entre os Senadores Jorginho Mello (SC), Wellington Fagundes (MT) e Carlos Portinho (RJ)”, completa o texto.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Há uma semana, Portinho havia recebido Pacheco em um sítio em Santana do Deserto, no interior de Minas Gerais.

Com a nova adesão, Pacheco agora conta com o apoio de sete bancadas -DEM, PL, PROS, PSC, PSD, PT e Republicanos- que reúnem 32 senadores.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

São necessários 41 votos para ganhar a disputa, caso todos os senadores apareçam para votar. No entanto, o voto é secreto e há, portanto, chances de traições dentro das bancadas.

O crescimento do apoio em torno de Pacheco aumentou a pressão em cima do MDB, que antecipou para esta terça-feira a escolha de seu candidato.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
>

A escolhida deve ser Simone Tebet (MS), que era uma das pré-candidatas do partido na disputa interna. Tebet se reuniu longamente na manhã desta terça-feira com o líder da bancada Eduardo Braga (MDB-AM). Fontes relatam que o encontro se deu para alinhar o discurso para o anúncio nesta tarde.

Braga era também pré-candidato, mas suas chances foram reduzidas após o apoio da bancada do PT a Pacheco. O líder era o único senador do MDB com chances de obter os votos petistas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Após perder apoio, fontes apontam que Braga busca parecer como o articulador da candidatura de Simone Tebet, se capitalizando para as negociações pós-eleição, em caso de vitória.

Os outros dois pré-candidatos eram os líderes do governo no Senado e no Congresso, respectivamente Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE) e Eduardo Gomes (MDB-TO).

Ambos os nomes perderam força na sexta-feira passada, quando, em reunião no Palácio do Planalto, Bolsonaro disse a Bezerra que seu nome para a disputa no Senado seria Pacheco.

Com Tebet, no entanto, o MDB terá uma difícil equação a resolver. A senadora é considerada independente, muito próxima ao movimento Muda Senado -que defende a Operação Lava-Jato, por exemplo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Por outro lado, independente do ocupante do Planalto, o MDB sempre teve uma posição mais governista. Por isso, interlocutores levantam a hipótese de membros da bancada buscarem minar internamente a candidatura.

Nos próximos dias, o MDB deve receber o apoio das bancadas do PSDB e Podemos, que contam 17 senadores.

A própria bancada vai aumentar de 13 para 15 parlamentares nesta tarde, com a filiação de Veneziano Vital do Rêgo (PB) e Rose de Freitas (ES).

As informações são da Folhapress




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade