fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Política & Poder

Mourão nega atrito com Bolsonaro por conta de vacina e diz que a decisão final é do presidente

Na semana passada, Mourão afirmou em entrevista à Veja que “é lógico” que o Brasil comprará doses da vacina chinesa, Coronavac

Avatar

Publicado

em

General Mourão
PUBLICIDADE

O vice-presidente Hamilton Mourão negou nesta terça-feira, 3, vivenciar um atrito com o presidente Jair Bolsonaro por causa da vacina contra a covid-19. Na semana passada, Mourão afirmou em entrevista à Veja que “é lógico” que o Brasil comprará doses da vacina chinesa, Coronavac, apesar de Bolsonaro negar essa possibilidade.

“Aqui não há briga. Existem opiniões que ora coincidem e ora não, mas quem decide é o presidente e ele foi eleito para isso”, declarou Mourão quando questionado por jornalistas ao chegar à Vice-Presidência. Ele afirmou que não conversou com Bolsonaro sobre o assunto, mas que acredita que o presidente fará o que for melhor para o população.

“Não conversei com o presidente (sobre o assunto), o que eu quis colocar ali é que é o seguinte, a vacina é uma vacina brasileira. Qualquer vacina vai ser produzida aqui no Brasil e, óbvio, o presidente vai tomar a decisão que for melhor para o conjunto da população brasileira, que é essa a responsabilidade dele”, disse.

O presidente Jair Bolsonaro e o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), divergem publicamente sobre a obrigatoriedade da vacinação contra a covid-19. Enquanto o presidente, que é candidato à reeleição em 2022, diz que o governo federal não obrigará a imunização, o governador de São Paulo, principal adversário de Bolsonaro, já afirmou que a vacina será obrigatória para os paulistas. No mês passado, o presidente revogou acordo feito pelo Ministério da Saúde para a compra de 46 milhões de doses da Coronavac, vacina da farmacêutica chinesa Sinovac que será produzida pelo Instituto Butantã.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Mourão defendeu ainda uma posição de cautela em relação a um imunizante contra a covid-19. “Não é uma coisa tão simples. Muita gente fala ‘começo do ano vai ter vacina’, (mas) não é simples”, disse. Segundo o vice-presidente, estudos sobre a vacina ainda devem indicar, por exemplo, os grupos prioritários para tomar o imunizante ou se haverá contraindicação para alguma parcela da população.

Amazônia

Na conversa com jornalistas, Mourão comentou também sobre a reunião do Conselho da Amazônia, liderado por ele, e que ocorre nesta terça. “É a última reunião do ano que estamos fazendo. Vou colocar algumas coisas para os ministros, sobre as nossas prioridades que têm que ser mantidas, o planejamento estratégico, e a partir da semana que vem a comissão integradora passa a fazer as reuniões com os diferentes ministérios”, explicou.

Na semana passada, Mourão apresentou o planejamento de ações do conselho para o ano que vem ao presidente Bolsonaro, que deu seu aval para as medidas. Amanhã, Mourão embarca em viagem à Amazônia com um grupo de embaixadores com o objetivo de melhorar a imagem do Brasil quanto à preservação ambiental.

Também integram a comitiva brasileira os ministros do Meio Ambiente, Ricardo Salles; das Relações Exteriores, Ernesto Araújo; da Agricultura, Tereza Cristina; do Gabinete de Segurança Institucional, Augusto Heleno.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade