fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Política & Poder

Marcello Crivella é preso no Rio

Crivella é alvo de operação que investiga o “QG da Propina”

Avatar

Publicado

em

Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Nove dias antes de terminar o mandato, o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, foi preso na manhã desta terça-feira (22), por volta de 6h. Crivella é alvo de uma operação que aponta que membros da Prefeitura recebiam propina para beneficiar empresas em contratos.

Crivella é alvo de operação da Polícia Civil (Pcerj) e do Ministério Público (MPRJ). A ação é desdobramento da operação Hades, que investiga o chamado “QG da Propina” dentro da Prefeitura.

Além de Crivella, foram presos o empresário Rafael Alves, o delegado aposentado Fernando Moraes, o ex-tesoureiro da campanha de Crivella, Mauro Macedo, e um empresário identificado como Adenor Gonçalves dos Santos. O ex-senador Eduardo Lopes também é alvo da operação, mas teria se mudado para Belém-PA e deverá se apresentar.

Ao ser preso, Crivella afirmou ser o prefeito “que mais atuou contra a corrupção”. “Lutei contra o pedágio ilegal, tirei recursos do carnaval, negociei o VLT, fui o governo que mais atuou contra a corrupção no Rio de Janeiro”, disse. O prefeito declarou também que espera por justiça, afirma o portal G1.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O vice-prefeito de Crivella, Fernando McDowell, morreu em 2018. Com isso, quem assume a Prefeitura é o presidente da Câmara de Vereadores, Jorge Felipe (DEM).

O QG da Propina

As investigações se iniciaram em 2018, após delação de Sergio Mizrahy. Ele admitiu ser responsável pela lavagem de dinheiro para a organização criminosa que atuava na Prefeitura do Rio. O chefe seria o empresário Rafael Alves, irmão do então presidente da Riotur, Marcelo Alves. Rafael chegava a dizer que tinha poder para nomear quem quisesse para cargos e escolher empresas que fariam contratos.

A partir daí, descobriu-se que membros da prefeitura ganhavam propina para beneficiar empresas em licitações. As empresas que tinham interesse em fechar contratos entregavam cheques a Rafael Alves. Rafael era íntimo de Crivella.

Aguarde mais informações

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade