fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Política & Poder

Major Olímpio discute com bolsonaristas e grita ‘ladrões de rachadinha’

Olímpio faz referência ao senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) ao falar em rachadinha

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

Camila Mattoso
Brasília, DF

O senador Major Olímpio (PSL-SP) envolveu-se em uma discussão com apoiadores do presidente Jair Bolsonaro em Taubaté (140 km de São Paulo) nesta segunda-feira (23).

Ele esteve na cidade para manifestar seu apoio a uma candidata à prefeita e diz ter sido surpreendido pela presença de pequeno grupo de bolsonaristas que o xingavam de “traidor”.

Em vídeo, o senador grita “ladrão” e “ladrão de rachadinha” enquanto é chamado de “traíra” por um rapaz com uma camiseta que diz “direita taubaté”, que aparece ao lado de uma mulher com roupa com os dizeres “Bolsonaro presidente” e de um homem com uma faixa “não vote em comunista”, em referência à candidata Loreny, do Cidadania, apoiada por Olímpio.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O senador e o rapaz chegam a ficar frente a frente, um gritando “ladrão” e “traíra” para o outro.

Olímpio faz referência ao senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) ao falar em rachadinha. O filho do presidente foi denunciado pelo MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro) sob acusação de ter arrecadado parte do salário dos servidores de seu gabinete quando era deputado estadual.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

À reportagem Olímpio diz que “o que restou de bolsonaristas hoje são radicais que tentam se impor pela intimidação. Comigo, não. Ladrão é ladrão. Ladrão de direita é igual ladrão de esquerda. Simplesmente ladrão”.

“Em Taubaté, como em qualquer cidade, a claque contratada bolsonarista hoje cabe num Mini Cooper”, diz o senador, afirmando que o grupo tinha apenas quatro pessoas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Após ter coordenado a campanha de Jair Bolsonaro em São Paulo em 2018, Olímpio rompeu com Bolsonaro após ter dito que sofreu pressão do presidente para não assinar a CPI da Lava Toga. Ele disse à época que Bolsonaro tentava proteger seu filho, Flávio Bolsonaro, que trabalhava para desarticular a criação da comissão.

As informações são da Folhapress

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
>



Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade