fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Política & Poder

Maia coloca em dúvida intenção do governo de votar projeto que unifica PIS e Cofins

Maia planejava colocar em votação a proposta da CBS nesta terça-feira (22), último dia antes do recesso parlamentar. No entanto, não houve contato do governo para auxiliar na construção de um texto

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

DANIELLE BRANT E THIAGO RESENDE
BRASÍLIA, DF

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), levantou dúvidas nesta segunda-feira (21) sobre o interesse do governo de votar o projeto da CBS (Contribuição sobre Bens e Serviços), de autoria do próprio Executivo e que unifica PIS e Cofins.

Maia planejava colocar em votação a proposta da CBS nesta terça-feira (22), último dia antes do recesso parlamentar. No entanto, não houve contato do governo para auxiliar na construção de um texto.

“Eu me coloquei à disposição do governo. Se o governo quiser [votar], é um projeto de autoria do governo, para não mostrar que a única pauta que eu voto é a reforma tributária da Câmara e do Senado, então estou à disposição”, afirmou.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Segundo o deputado, o líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR), pode estar esperando para conversar com o relator da PEC (Proposta de Emenda à Constituição) 45, deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB). “Não sei se o governo está com interesse de votar não”, afirmou.

O governo sinalizou neste domingo (20) que aceitaria reduzir a alíquota da CBS de 12% para 10%. Em contrapartida, o time do ministro Paulo Guedes (Economia) quer que o Congresso concorde em prever uma alíquota de 10% para estados e de 2% para os municípios, quando esses entes aderirem à reforma tributária.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Maia defendeu novamente a suspensão do recesso parlamentar para que o Congresso vote matérias importantes para a retomada da economia, como a PEC Emergencial.

“Não me dá a impressão de que o governo tem interesse de estimular o debate no Congresso em janeiro”, afirmou. “Do meu ponto de vista vai ser um grande erro, o Supremo já tomou a decisão, parte do Supremo.”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Para ele, o governo não apoia uma suspensão do recesso por achar que Maia pautaria projetos para favorecer seu candidato à sucessão na Câmara, o que “também é outra visão equivocada do governo.”

Sobre sucessão, o deputado negou qualquer tipo de acordo com a oposição envolvendo pautas econômicas, como a autonomia do Banco Central.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
>

“A nossa pauta é a garantia da independência da Câmara e trabalhar para que pautas… para que a liberdade de imprensa esteja mantida, as liberdades individuais, que o debate dos direitos das minorias esteja garantido na Câmara dos Deputados”, afirmou.

“Isso é o que nos une. O que nos divide é exatamente a pauta econômica. Se nós fossemos tratar dessa pauta nós não teríamos tido convergência como tivemos na sexta-feira.”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Maia formalizou na sexta-feira (18) um bloco para a sucessão da Câmara com os partidos de esquerda – exceto o PSOL, que ainda estuda aderir ao grupo, mesmo com candidatura própria à eleição.

Na semana passada, o grupo político de Maia já reunia seis partidos (PSL, MDB, PSDB, DEM, Cidadania e PV), que somam 159 deputados. Nesta sexta-feira (18), PT, PSB, PDT, PC do B e Rede se uniram ao bloco, que passa a ter mais de 280 deputados.

A campanha de Lira afirma ter votos do PP, PL, PSD, Solidariedade, Avante, PSC, PTB, PROS, Patriota e Republicanos. Esse bloco soma cerca de 200 deputados. Ele ainda consegue apoio em parte do PSL e também de alguns deputados da esquerda, como PSB.

O voto é secreto. Por isso, a adesão de partidos a blocos não significa a garantia de votos. São necessários 257 do total de 513 para eleger quem comandará os deputados pelos próximos dois anos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

As informações são da FolhaPress




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade