fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Política & Poder

Maia abre sessão para votação do PLP sobre uso de fundos para combate à covid

Juntos, esses fundos somam R$ 10,510 bilhões e reduzem o volume de recursos que seriam liberados R$ 167,228 bilhões

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), abriu por volta das 12h desta sexta-feira (18) a sessão deliberativa da Casa com a continuação da votação dos destaques de projeto que retira de fundos setoriais recursos desvinculados para ações de combate à pandemia do novo coronavírus, o PLP 137. Juntos, esses fundos somam R$ 10,510 bilhões e reduzem o volume de recursos que seriam liberados R$ 167,228 bilhões. Está na pauta do dia também a Medida Provisória 1000, entre outros mais de 20 projetos.

Partidos da base do governo na Câmara, do chamado Centrão, devem tentar impedir a votação da MP 1000, que trata sobre a prorrogação do auxílio emergencial por R$ 300. O deputado Vinicius Carvalho (Republicanos-SP) disse que seu partido estará em obstrução em todo o dia de hoje.

Na quinta-feira, Rodrigo Maia (DEM-RJ) anunciou que pautaria a MP e incluiria nessa proposta o 13º aos beneficiários do Bolsa Família, após ser cobrado publicamente por Jair Bolsonaro.

Para impedir a votação, uma das estratégias dos partidos é não registrar presença na sessão, para que não haja o número suficiente de deputados necessários (257) para se iniciar a reunião. Se isso não der certo, haverá o “kit obstrução”, ferramenta normalmente usada pela oposição, com pedidos de adiamento de pauta e outros para tardar a apreciação. Os parlamentares devem também apelar para o fato do parecer de Marcelo Aro (PP-MG) ainda não ter sido apresentado. A regra é que os relatórios devem ser apresentados com 24 horas de antecedência para ter tempo hábil de avaliar.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Acusação

Durante transmissão ao vivo nas redes sociais nesta quinta-feira, o presidente Jair Bolsonaro atribuiu a perda de validade da medida provisória do 13° salário do Bolsa Família ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia. Bolsonaro também indicou que a cobrança pelo 13° neste ano também fosse endereçada a Maia. A reação do deputado foi quase imediata. Ao Broadcast/Estadão, Maia afirmou que Bolsonaro foi “mentiroso” em sua fala.

Estadão Conteúdo

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade