fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Política & Poder

Líder do MDB defende que demais destaques da reforma sejam rejeitados

Há seis destaques pendentes de análise. Para serem rejeitados, o governo precisa de 49 votos em cada um deles

Aline Rocha

Publicado

em

PUBLICIDADE

O líder do MDB no Senado, Eduardo Braga (AM), afirmou que a votação de primeiro turno da reforma da Previdência precisa ser concluída ainda nesta quarta-feira, 2. Além disso, ele defendeu que os demais destaques, que podem desidratar ainda mais a economia fiscal da proposta, sejam rejeitados.

“Eu acho que o Brasil precisa terminar hoje a votação e que, com as mudanças que foram feitas até agora no texto, nós melhoramos muito o texto. Portanto, eu defendo que os atuais destaques sejam rejeitados”, disse Braga ao Broadcast Político, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado.

Há seis destaques pendentes de análise. Para serem rejeitados, o governo precisa de 49 votos em cada um deles.

O líder do MDB, a maior bancada do Senado, foi um dos articuladores para impor a derrota ao governo na véspera, durante a votação do item que retirou da reforma as mudanças no abono salarial.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Eduardo Braga não descartou mais surpresas. “A mudança de humor está muito grande no plenário. O plenário não ia votar os destaques (ontem), resolveram votar. Quando perceberam que estava ficando tenso, suspenderam a sessão”, afirmou.

Guedes

Braga comentou ainda a possibilidade de a equipe econômica refazer as contas do projeto do novo pacto federativo após o Senado tirar mais R$ 74,6 bilhões da economia da reforma. Conforme o Broadcast revelou mais cedo, a ordem do ministro da Economia, Paulo Guedes, é compensar cada bilhão perdido na Previdência por meio do projeto que refaz a divisão dos recursos arrecadados entre União, Estados e municípios.

“Retaliação? Pau que dá em Chico dá em Francisco”, respondeu o líder do MDB.

 

Estadão Conteúdo

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Leia também
Publicidade
Publicidade
Publicidade