fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Política & Poder

Kassio diz ter arma em casa e critica insegurança jurídica no julgamento de gestores públicos

O magistrado falou de problemas na legislação e na atuação da Justiça na fiscalização de administradores públicos

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

Matheus Teixeira e Julia Chaib
Brasília, DF

Em sabatina na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado, o juiz federal Kassio Nunes Marques afirmou, na manhã desta quarta-feira (21), que tem uma arma de fogo em casa, mas que não costuma andar com o revólver. Por ser magistrado, ele tem porte de arma.

Kassio disse ser do “perfil” que defende que a arma serve “a depender da circunstância”, como local em que as pessoas moram e o nível de violência da região. “Mas não é posição jurídica”, ponderou.

O magistrado falou de problemas na legislação e na atuação da Justiça na fiscalização de administradores públicos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“É uma grande preocupação hoje também do Judiciário, porque há uma diminuição de personalidades do mundo político que intencionem ir para a administração pública. Muitos parlamentares hoje não querem exercer função de administração pela claudicância e variedade de interpretações, o que gera insegurança”, ressaltou.

Ele disse que não faria juízo de valor sobre nenhuma contratação feita durante a pandemia do coronavírus, mas afirmou que é importante o juiz do caso levar em consideração a circunstância com que foi feita a compra. O juiz do TRF-1 afirmou que são necessárias “normas mais claras e prudência” do magistrado.

Kassio diz que cabe ao juiz aplicar a lei e a Constituição “independentemente se aquilo vai satisfazer ou insatisfazer os anseios, os clamores, o calor do clamor popular daquele momento”. Ele também declarou não ter nada contra o juiz das garantias, mas disse que é preciso que o Supremo regulamente o instituto.

O juiz voltou a dizer que não há antagonismo entre a Lava Jato e a corrente garantista do direito.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

HOMOFOBIA

Marques afirmou ainda que há “uma certa pacificação social” sobre a criminalização da homofobia, a união estável homossexual, o nome social de transgêneros e o direito de gay de doar sangue.

“Nós temos uma cultura jurídica que essa conformação jurisprudencial segue até determinado limite, e minha opinião como operador do direito é que esses limites foram atingidos. Há uma certa pacificação social no que diz respeito a isso”, disse.

O indicado do presidente Jair Bolsonaro foi elogiado por senadores de oposição, como Ricardo Carvalho (PT-SE) e Weverton Rocha (PDT-MA).

Kassio disse que não poderia responder sobre a exploração mineral em terras indígenas porque o tema já foi alvo de decisão do Judiciário e está em discussão no Congresso.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ele voltou a pregar contenção do Judiciário e disse que é sabido que há uma ansiedade de autoridades dos três Poderes, incluindo a Justiça, para transformar o Brasil. “Mas a minha ideia não é aquela do protagonismo da Justiça”, ponderou.

Kassio disse ser a favor da fixação de uma quarentena para juízes concorrerem a cargos públicos após deixarem a magistratura.

“Não posso falar pela magistratura nacional, mas por mim não vejo nenhuma dificuldade do ponto de vista jurídico-normativo, não vejo também nenhuma dificuldade do ponto de vista social”.

As informações são da Folhapress

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade