fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Política & Poder

(IN) FORMAÇÃO: O PROBLEMA DO CENTRO É A VELHA POLÍTICA…

A dor de cabeça do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, é convencer o brasileiro de que os atuais atores do centro estão dispostos a agir com a mesma responsabilidade dos seus antecessores nesses momentos históricos

Lindauro Gomes

Publicado

em

PUBLICIDADE

Por Rudolfo Lago
[email protected]

Na segunda-feira (26), publicamos aqui no Jornal de Brasília que tem a digital do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), o vídeo que começou a circular nas redes sociais na semana passada exaltando as vantagens do centro político para a estabilidade do país e pregando que está nele o único caminho para que o Brasil saia do ambiente de guerra de torcidas que o assola desde antes do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff. Trata-se de uma clara estratégia de propaganda de captura. Na linguagem publicitária, é aquilo que chamam de teaser.

Não tem assinatura. Não tem um autor claro. Trata de lançar no ar uma ideia para ver quem morde a isca. E, aí, diante do resultado, se apresentar claramente no futuro explicitando as suas intenções.

A opção por esse formato para lançar a ideia mostra bem qual é a sua dificuldade. O grande risco da proposta é que a população a identifique com o retorno da tal da velha política. E, de fato, na costura que faz Rodrigo Maia para unir o centro político, estão diversas daquelas siglas que o eleitor, ao fazer a renovação que fez nas últimas eleições, identificou como a raiz dos problemas que precisavam ser varridos e que batizou de velha política.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Especialmente o próprio DEM de Maia e o MDB, um dos partidos com o qual ele conversa para apadrinhar com ele a defesa do centro.

Ao defender a opção neste momento pelo centro, Rodrigo precisará incutir na mente do eleitor que foi quando o país fez essa opção que ele mais prosperou na sua história republicana. E, nesse sentido, o vídeo é eficiente nas demonstrações.

Na chamada República Nova — a fase da história republicana brasileira que vai da deposição da ditadura de Getúlio Vargas até o golpe militar de 1964 —, esse centro político esteve principalmente identificado com o PSD. O velho PSD pré-64 unia os principais caciques regionais da República Velha a um conjunto de políticos mais jovens que transitavam pelo centro, como Juscelino Kubitschek e Ulysses Guimarães.

Garantidor da estabilidade

Como mostra a cientista política Lúcia Hippolito no seu livro PSD – De Raposas e Reformistas, foi o partido o garantidor da estabilidade que durante muito tempo evitou que o país sucumbisse à disputa radical entre direita e esquerda, ou antecipando o golpe militar (tentado antes algumas vezes, principalmente no governo JK) ou caindo numa revolução socialista (também com diversas tentativas desde a Intentona Comunista em 1935).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Quando os eleitores fizeram uma opção mais à direita, elegendo Jânio Quadros presidente e o esquerdista João Goulart, do PTB (naquele tempo, votava-se separadamente no presidente e no vice), como vice, pela primeira vez o PSD ficou fora da composição de poder. E a disputa entre esquerda e direita aguçou-se. Jânio renunciou aumentando a crise, e Jango acabou deposto pelos militares em 1964.

É no período em que o PSD garante essa estabilidade que o país se industrializa, Brasília é construída, o país cresce para o Oeste e para o seu interior.

Foi também a partir de uma união do centro que se conseguiu terminar com a ditadura, na construção da solução Tancredo Neves como candidato nas eleições indiretas pelo Colégio Eleitoral. Também foi com o mesmo tipo de solução que se fez o impeachment de Fernando Collor e se uniram os partidos que formaram em seguida o governo Itamar Franco, que estabeleceu o Plano Real e trouxe para o país a estabilidade econômica após anos de hiperinflação.

Se tais ideias colarem nos ouvidos do eleitor, a estrada do centro poderá vir a ser pavimentada por Rodrigo Maia. Seu grande problema será convencer o brasileiro de que os atuais atores do centro estão dispostos a agir com a mesma responsabilidade dos seus antecessores nesses momentos históricos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ou estarão eles mais identificados com aqueles seus companheiros de partido que foram parar na cadeia no Mensalão ou na Lava Jato. É saber se o passado do centro o absolve ou o condena…




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade