Siga o Jornal de Brasília

Política & Poder

Em votação de fim do pedágio, deputados e governo temeram quebra de acordo

Depois da abertura de sessão para analisar a reforma da Previdência com um quórum considerado baixo, o número de deputados presentes na Câmara dos Deputados chegou a 490

Depois da abertura de sessão para analisar a reforma da Previdência com um quórum considerado baixo, o número de deputados presentes na Câmara dos Deputados chegou a 490 – número “mágico” do presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Nos últimos dias, ele tem destacado que esse é quórum seguro para as votações. No entanto, apesar da presença maciça, a equipe econômica e deputados favoráveis à reforma enfrentaram um estresse durante a votação de destaque que retirava o pedágio de 100% da regra de transição – que acabou rejeitado, para alívio do governo. 

O destaque foi apresentado pelo PDT, mas havia um acordo para que a mudança fosse rejeitada, com o fim de angariar apoio à proposta da mesma sigla que abranda as regras no caso das professores – votado neste momento. No entanto, no meio da votação, o PDT orientou sua bancada a se posicionar favorável à mudança, o que quebraria o acordo fechado na quinta.

Isso, aliado ao registro de votações, que ficou estacionado ao redor de 475 votos por algum tempo, preocupou integrantes da equipe econômica e deputados que temem uma desidratação da reforma. O grupo mostrou nervosismo durante as discussões no plenário. Mas, ao fim, a votação se estendeu, o quórum de votantes aumentou e a chance de derrota do governo diminuiu. Enquanto isso, o PDT mudou a orientação para retomar o acordo. O governo precisava de 308 votos, e conseguiu 387.

Relator da reforma, Samuel Moreira (PSDB) subiu à tribuna durante a votação para explicar o destaque e alertar do impacto que ele teria na economia se fosse aceito. “São quase R$ 200 bilhões, nós vamos destruir a reforma da Previdência se votarmos a favor desse destaque”, disse. Se fosse aprovado o destaque do PDT, o impacto na economia total da reforma em dez anos seria de R$ 110 bilhões, de acordo com estimativa de parlamentares da base. 

Mais cedo, quando o número de deputados na sessão não havia atingido o número “mágico” de 490 parlamentares, dois articuladores da reforma encaravam o painel de presença, e anotavam o nome dos faltantes apoiadores da nova Previdência, preocupados com o quórum. Eles reclamavam que os líderes do governo não estavam articulando para garantir um número seguro de parlamentares no plenário.

Estadão Conteúdo. 

Você pode gostar
Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *