fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Política & Poder

Eleições municipais: Alvo da Justiça, Coutinho não pode sair à noite

Coutinho foi preso em dezembro de 2019 na Operação Calvário. Ele nega as acusações, mas, desde então, o ex-governador da Paraíba cumpre recolhimento domiciliar a partir das 20h, o que lhe impede de participar de eventos de campanha realizados à noite

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

Acusado de participar de um esquema de desvio de dinheiro público da saúde quando era governador da Paraíba e proibido de sair de casa à noite, o ex-governador da Paraíba Ricardo Coutinho (PSB) não participou do primeiro debate entre candidatos a prefeito de João Pessoa. O encontro, que ocorreu nesta quinta, 17, foi promovido pela TV Arapuan, afiliada RedeTV!.

Coutinho foi preso em dezembro de 2019 na Operação Calvário. Ele nega as acusações, mas, desde então, o ex-governador cumpre recolhimento domiciliar a partir das 20h, o que lhe impede de participar de eventos de campanha realizados à noite. A estratégia do ex-governador tem sido promover lives durante os debates.

O advogado de Ricardo Coutinho, Eduardo Cavalcanti, afirmou que a defesa do ex-governador entrará com um pedido de habeas corpus no Supremo Tribunal Federal, com o objetivo de relaxar as medidas cautelares, principalmente a que trata sobre o recolhimento domiciliar noturno, para que o político possa participar de eventos noturnos durante o período eleitoral.

Coutinho já conseguiu na Justiça o direito de não usar mais tornozeleira eletrônica durante a pandemia. O argumento do ex-governador foi de que a manutenção periódica precisaria ser feita em uma unidade do sistema prisional.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

‘Corrupção deve ser praticada’, diz candidato em debate

Uma gafe cometida pelo deputado estadual Wallber Virgolino (Patriota) marcou o primeiro debate entre candidatos a prefeito de João Pessoa. Ao defender a transparência na gestão pública, Virgolino, que se apresenta como representante do presidente Jair Bolsonaro na disputa municipal e já foi delegado da Polícia Civil, afirmou que é preciso “praticar a corrupção”.

“Se chegarmos à prefeitura, a gente pretende fazer uma operação pente-fino em todas as secretarias. Corrupção deve ser praticada, não apenas falada”, afirmou o candidato, que prometeu entregar a Controladoria-Geral do município a um policial federal ou a um integrante do Ministério Público, caso seja eleito.

“Só se combate a corrupção abrindo essa caixa-preta. Não tenho nada a esconder”, completou Virgolino, sem perceber que sua frase anterior teve sentido contrário do que pretendia dizer. Por outro lado, o candidato que debatia com ele no momento, Raoni Mendes (Democratas), aparentemente não percebeu e não fez comentários sobre a gafe do adversário.

Virgolino foi eleito deputado estadual pela primeira vez nas eleições de 2018 com 48.053 votos. Na Paraíba, o parlamentar já ocupou cargos de delegado do Grupo de Operações Especiais da Polícia Civil (GOE), de corregedor do Detran-PB e de secretário de Administração Penitenciária. No Rio Grande do Norte, foi secretário de Justiça e Cidadania.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O debate foi promovido pela TV Arapuan, afiliada da Rede TV! no Estado. Ao todo, dez candidatos participaram do encontro. Procurado pela reportagem, o deputado e candidato a prefeito de João Pessoa não respondeu aos contatos até a conclusão desta edição.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade