Siga o Jornal de Brasília

Política & Poder

Claudio Abrantes fecha acordo para ser líder do governo na Câmara

Publicado

em

Publicidade

Eric Zambon
eric.zambon@grupojbr.com

O que era esperado se confirmou e Cláudio Abrantes (PDT) será o representante do Buriti no plenário da Câmara Legislativa do DF. O parlamentar reeleito já havia sido convidado pelo governador Ibaneis Rocha (MDB) em dezembro, mas recusou para lançar candidatura própria à presidência da Casa.

Apesar de ter apoiado a campanha de Ibaneis desde o primeiro turno, Abrantes criou uma chapa contrária ao grupo de Rafael Prudente (MDB), que tinha a bênção do governador eleito, e agregou os seis deputados não aliados ao novo chefe do Executivo.

Com a derrota no pleito, ele ficou livre para se realinhar em relação ao Buriti e, após reunião iniciada na manhã desta quinta-feira (10), sua assessoria confirmou que foi feito o acordo verbal para Abrantes ser o líder na CLDF. A efetivação do pedetista na posição, contudo, só acontecerá na volta do recesso legislativo, no primeiro dia útil de fevereiro.

Cláudio Abrantes junto à equipe do Cerimonial da governadoria. Foto? Divulgação/Facebook

Já estava escrito

Os deputados que apoiaram a candidatura de Abrantes à presidência reagiram com naturalidade à indicação. Mesmo opositores mais ferrenhos da gestão Ibaneis, como Chico Vigilante (PT), reconheceram que as eleições para a Mesa Diretora foram uma situação pontual. O petista ainda se disse tranquilo por fazer parte de uma oposição com, na teoria, apenas cinco parlamentares. “A base do Ibaneis é Sonrisal, vai se dissolver logo logo”, provocou.

O correligionário de Abrantes na Câmara, deputado Professor Reginaldo Veras (PDT), também revelou que já esperava a indicação, mas foi além e se mostrou ressentido. Segundo ele, apesar de seu partido ter declarado apoio oficial ao novo governo, ter controle de uma secretaria com Léo Bijos e agora contar com o líder de governo, ele nunca foi chamado para conversar por representantes da situação. “Isso me empurra para uma oposição sistemática”, diz.


Você pode gostar
Publicidade