Siga o Jornal de Brasília

Política & Poder

Chico César diz em show: ‘Daqui a seis meses vai ter a campanha Moro Livre’

O cantor paraibano Chico César estava bem animado e despreocupado em deixar temas políticos e de cunho social de lado

Publicado

em

Da Redação
[email protected]

No domingo (23), no fim do festival Forró da Lua Cheia em em Altinópolis (SP), o cantor paraibano Chico César estava bem animado e despreocupado em deixar temas políticos e de cunho social de lado. 

O governo Bolsonaro foi um dos assuntos abordados por ele. E o ministro da Justiça, Sergio Moro não ficou de fora. “Daqui a seis meses vai ter a campanha ‘Moro Livre'”, disse aos risos durante a apresentação, fazendo alusão ao movimento “Lula Livre”.

Outra atração do festival que se lembrou de Moro e do presidente foi o Planet Hemp, que usou termos como “passa-pano” e “fascistas” em referência a eles na noite de sexta (21).

“O vazamento é uma benção, as conversas é que são horríveis”, disse o artista. 

“Temos um presidente eleito por fake news, mas não só. Por uma parcela muito preconceituosa e muito assustada da população que também teve sua cabeça feita por fake news.” Chico disse ver integrantes do governo despreparados e conservadores, como a ministra Damares Alves. “São pessoas muito conservadoras que não entendem bulhufas. O quinto escalação da política brasileira assumiu a ponta de lança.”

No repertório, Chico César traz canções alegres e de amor, mas que também fazem refletir e pensar em temas sociais. É o caso de canções como “Mama África”, “À Primeira Vista”, “Mand’ela” e “Negão”. Essa última foi cantada após um questionamento do cantor sobre a quantidade de negros em diversos lugares e tem trechos como: “Negam que aqui tem preto, negão/Negam que aqui tem preconceito de cor”.

“O Brasil é um país muito racista e muito violento”, afirmou o cantor. Segundo ele, quando você tem as Forças Armadas metralhando uma família negra com 80 tiros isso diz muito sobre o racismo.

“Nós nunca vimos isso acontecer assim, da instituição governamental, que deveria proteger o cidadão, fazer isso com uma família branca”, disse. “E nem quero que isso aconteça, eu quero que isso pare de acontecer com as famílias negras. Parem de nos matar.”

Chico observa que agora que cada vez mais os negros, para além das artes e dos esportes, estão falando, escrevendo, pensando, todos ficam surpresos. “Porque no geral há um lugar de pensar o Brasil que se colocou historicamente como um lugar dos brancos”, justificou.

O pensamento do artista segue a linha das ideias expressas por Elza Soares, que completou 89 anos no domingo e foi homenageada com a música “Pensar em Você” no show de Chico.

A cantora, que se apresentou no primeiro dia de festival, afirmou à reportagem que considera o Brasil “o país mais racista do mundo”. “Eu nasci negra. Eu confirmo, é o mais racista. Sou neta, bisneta de escravos. Minha mãe ainda pegou um pouco da escravatura. Para mim é tão recente minha mãe ter passado por isso.”

https://www.instagram.com/p/BzF-py9AEY6/?utm_source=ig_web_options_share_sheet

Você pode gostar
Publicidade
Publicidade
Publicidade
  • CHARGE DO DIA

Publicidade