Siga o Jornal de Brasília

Política & Poder

‘Casamento’ mais forte que nunca, afirma presidente

Pelas redes sociais, presidente deu declaração amenizando as falas do Ministro da economia

A afirmação do ministro da Economia, Paulo Guedes, de que “renunciaria ao cargo se a reforma da Previdência pretendida pelo governo virasse uma “reforminha” gerou ruído e preocupação inicial entre investidores.

Mas o dia terminou com o presidente Jair Bolsonaro colocando panos quentes nas declarações do ministro. Depois de responder, durante sua primeira visita ao Nordeste, que “ninguém é obrigado a ficar como ministro meu”, Bolsonaro ironizou a polêmica pelo Twitter.

“Peço desculpas por frustrar a tentativa de parte da mídia de criar um virtual atrito entre eu (sic) e Paulo Guedes. Nosso casamento segue mais forte que nunca kkkkk. No mais, caso não aprovemos a Previdência, creio que deva trocar o Min. da Economia pelo da Alquimia, só assim resolve”, postou o presidente.

Mais cedo, segundo interlocutores do presidente, houve frustração com a repercussão das declarações de Guedes, que acabou ofuscando a viagem do presidente ao Nordeste, um tradicional reduto petista. A fala desviou a imprensa para o que, segundo o governo, é uma “falsa polêmica”.

Os mesmos auxiliares reiteraram que não era a primeira vez que Paulo Guedes dizia isso, minimizando que “este é o modo conhecido dele agir”. 

Um desses interlocutores acha que esta também é uma maneira de o ministro falar para pressionar o Congresso a votar “a melhor reforma da Previdência”. Outro auxiliar avalia, no entanto, que esse tipo de declaração tem um tom que sempre pode ser entendido como ameaça aos parlamentares, que pode não ser bom.

Já um interlocutor de Guedes classificou a repercussão como um “exagero” e afirmou que não houve qualquer desentendimento entre eles, pois “um conhece o estilo do outro”.

No início da noite, o Ministério da Economia também informou, por meio de uma nota, que “reafirma o total compromisso do ministro Paulo Guedes com a retomada do crescimento econômico do país e rechaça qualquer hipótese de que possa se afastar desse propósito”. E emendou: “o Ministério da Economia reitera ainda sua absoluta confiança no trabalho do Congresso, instituição com a qual mantém excelente diálogo, para garantir a aprovação da Nova Previdência com economia superior a R$ 1 trilhão”.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), também minimizou o impacto da declaração e disse que “a edição de uma matéria, às vezes, pode criar uma interpretação equivocada”. “Conheço Paulo Guedes”, disse Maia. “Não acredito que tenha falado nesse contexto (de deixar o cargo)”, afirmou.

Estadão conteúdo

Publicidade
Publicidade
  • CHARGE DO DIA