fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Política & Poder

Câmara confirma aumento de 46% para Covas; Prefeitura prevê impacto de R$ 78 mi

O salário de Covas passará de R$ 24.175,55 para R$ 35.462,00. O do vice, Ricardo Nunes (MDB), passará de R$ 21.700,00 para R$ 31 915,80

Avatar

Publicado

em

Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

A Câmara Municipal de São Paulo aprovou, em votação final, por 34 votos a favor, 17 contrários e 1 abstenção, o projeto de lei que dá um aumento salarial de 46% para o prefeito da capital, Bruno Covas (PSDB), além de aumentos para o vice-prefeito e os secretários municipais. O projeto agora segue para a sanção do próprio Covas. O aumento valerá apenas para janeiro de 2022.

O projeto de lei que prevê o aumento havia sido aprovado em primeiro turno na segunda-feira, 21, em uma votação marcada por uma manobra conhecida como “cavalo” (quando um projeto de lei é usado para a aprovação de outro).

O salário de Covas passará de R$ 24.175,55 para R$ 35.462,00. O do vice, Ricardo Nunes (MDB), passará de R$ 21.700,00 para R$ 31 915,80 e o dos secretários muda de R$ 19.340,40 para R$ 30 142,70, uma variação de 55%.

O salário do prefeito é o teto do funcionalismo municipal. Por isso, há expectativa de que os servidores que já ganham o teto possam ter também o salário elevado pelo aumento do limite de pagamentos, em um efeito cascata.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A Prefeitura enviou à Câmara um estudo afirmando que esse efeito cascata trará, em 2022, um impacto de R$ 78 milhões ao orçamento da cidade. O cálculo considera que a cidade teria apenas 42 pessoas que recebem R$ 24,1 mil e passariam para R$ 35,4 mil. Um estudo paralelo, elaborado pelo gabinete do vereador José Police Neto (PSD), estimou que seriam 1,873 os servidores ativos e inativos que recebem R$ 24,1 mil. Contando com os servidores também da Câmara e do Tribunal de Contas do Município (TCM), o valor seria de quase R$ 500 milhões.

A votação se deu em meio a discursos contrários da oposição, em especial de parlamentares do PSOL. “O que não pode ter aqui é justificativas para o aumento do prefeito e dos secretários (em referência à inflação acumulada desde o último aumento), mas que, quando a gente vai apresentar essas mesmas considerações para reajustar salários de funcionários, essas não são válidas”, disse o vereador Toninho Vespoli, no plenário.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em defesa da medida, a vereadora Soninha Francine (Cidadania) ponderou que a defasagem salarial, especialmente no caso dos secretários, afastava pessoal com capacidade técnica para os cargos, de ocupá-los.

O Estadão questionou a gestão Covas se o projeto será sancionado, além de um comentário sobre a diferença entre os cálculos do governo do gabinete de Police Neto sobre os impactos financeiros decorrentes da aprovação, mas não teve resposta.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Orçamento aprovado

Na sessão em que aprovaram o reajuste, os vereadores também votaram o Orçamento da cidade para 2021, de R$ 67,9 bilhões, que foi aprovado por 37 votos a favor e 12 contrários. O texto prevê que o Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) do ano que vem não terá correção monetária e que cada um dos 55 vereadores que assumem o mandato na próxima gestão terá direito a R$ 4 milhões em emendas parlamentares.

Estadão Conteúdo

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
>



Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade