fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Política & Poder

Bolsonaro em fúria

Após se vê envolvido no caso do assassinato da Vereadora Marielle Franco, o presidente Jair Bolsonaro reage em fúria na internet

Lindauro Gomes

Publicado

em

PUBLICIDADE

O presidente Jair Bolsonaro criticou severamente na madrugada desta quarta-feira a TV Globo por publicar uma matéria no Jornal Nacional envolvendo seu nome na investigação do assassinato da vereadora Marielle Franco em 2018, no Rio de Janeiro.

Visivelmente exaltado, o presidente fez uma transmissão ao vivo no Facebook sobre a reportagem da Globo que cita o controle de visitas do condomínio Vivendas da Barra, no Rio, onde Bolsonaro e o ex-policial militar Ronnie Lessa têm casa.

Lessa é acusado da morte da vereadora do PSOL.

No dia 14 março de 2018, horas antes do crime, o ex-PM Élcio Queiroz, outro suspeito da morte de Marielle, disse à portaria do condomínio que iria visitar Bolsonaro, mas foi à casa de Lessa, segundo depoimento do porteiro à polícia divulgado pelo Jornal Nacional.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em sua live, Bolsonaro declarou que estava em Brasília no dia 14 de março de 2018 e registrou presença em duas sessões na Câmara como deputado federal, o que também foi noticiado pela Globo.

Seus patifes da TV Globo, seus canalhas. Não vai colar. Não tinha motivo para matar quem quer que fosse no Rio de Janeiro“, gritou o presidente no vídeo de 24 minutos, gravado durante a madrugada de quarta-feira na Arábia Saudita, onde Bolsonaro conclui uma viagem pela Ásia e Oriente Médio.

“O que cheira isso aqui, o que parece é que ou o porteiro mentiu, ou induziram o porteiro a cometer um falso testemunho, ou escreveram algo no inquérito que o porteiro não leu e assinou embaixo em confiança ao delegado, ou a quem que foi ouvir na portaria…”.

“Qual a intenção disso tudo? A intenção é sempre a mesma. O tempo todo ficam em cima da minha vida, dos meus filhos”, reagiu.

“A Rede Globo teve acesso ao processo, que corre em segredo de Justiça, e quem vazou isso para a televisão foi o senhor governador (do Rio de Janeiro, Wilson) Witzel”, que agiu pensando na disputa presidencial de 2022.

“O senhor só se elegeu governador porque ficou o tempo todo colado com o Flávio Bolsonaro, meu filho. E a primeira coisa que o senhor fez foi se tornar inimigo dele, para concorrer à presidência em 2022”.

O governador, em uma mensagem no Twitter, criticou a manifestação “intempestiva” do presidente e afirmou que não compactua com vazamentos à imprensa.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Vão ficar me infernizando até quando? Tenho reunião com 300 empresários aqui (na Arábia Saudita) que não investiam no país por causa de vocês, TV Globo“, disparou o presidente, que ameaçou não renovar as concessões de rádio e televisão do Grupo Globo.

Nota da Globo

“A Globo não fez patifaria nem canalhice. Fez, como sempre, jornalismo com seriedade e responsabilidade. Revelou a existência do depoimento do porteiro e das afirmações que ele fez. Mas ressaltou, com ênfase e por apuração própria, que as informações do porteiro se chocavam com um fato: a presença do então deputado Jair Bolsonaro em Brasília, naquele dia, com dois registros na lista de presença em votações.

O depoimento do porteiro, com ou sem contradição, é importante, porque diz respeito a um fato que ocorreu com um dos principais acusados, no dia do crime. Além disso, a mera citação do nome do presidente leva o Supremo Tribunal Federal a analisar a situação.

A Globo lamenta que o presidente revele não conhecer a missão do jornalismo de qualidade e use termos injustos para insultar aqueles que não fazem outra coisa senão informar com precisão o público brasileiro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Sobre a afirmação de que, em 2022, não perseguirá a Globo, mas só renovará a sua concessão se o processo estiver, nas palavras dele, enxuto, a Globo afirma que não poderia esperar dele outra atitude. Há 54 anos, a emissora jamais deixou de cumprir as suas obrigações.”

Comunicado de Witzel

“Lamento profundamente a manifestação intempestiva do presidente Jair Bolsonaro. Ressalto que jamais houve qualquer tipo de interferência política nas investigações conduzidas pelo Ministério Público e a cargo da Polícia Civil.

Em meu governo as instituições funcionam plenamente e o respeito à lei rege todas as nossas ações. Não transitamos no terreno da ilegalidade, não compactuo com vazamentos à imprensa. Não farei como fizeram comigo, prejulgar e condenar sem provas.

Hoje, fui atacado injustamente. Ainda assim, defenderei, como fiz durante os anos em que exerci a Magistratura, o equilíbrio e o bom senso nas relações pessoais e institucionais. Fui eleito sob a bandeira da ética, da moralidade e do combate à corrupção. E deste caminho jamais me afastarei.”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade