fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Política & Poder

Bolsonaro diz desejar Macri reeleito e mais acordos para o Mercosul

Segundo o presidente, reeleição de Macri é importante para que a Argentina “não siga a linha da Venezuela.”

Willian Matos

Publicado

em

PUBLICIDADE

O presidente Jair Bolsonaro reafirmou, em entrevista ao Clarín, seu apoio à reeleição de Mauricio Macri para que a Argentina “não siga a linha da Venezuela” e também disse que pretende trabalhar para que o Mercosul feche acordos comerciais com a maior quantidade possível de blocos.

“Temos conversado sobre a possibilidade de acordos com Japão, Coreia do Sul e agora também Estados Unidos”, afirmou ele ao jornal argentino. “É a melhora da economia que vai tirar o povo da situação difícil em que se encontra. Na Argentina, e grande parte do povo brasileiro”, comentou.

A entrevista foi concedida em Brasília, antes da viagem de Bolsonaro nesta semana à cidade argentina de Santa Fé para uma cúpula do Mercosul. Bolsonaro criticou a chapa formada por Alberto Fernández com a ex-presidente Cristina Kirchner como vice, que aparece empatada em várias pesquisas com Macri.

O líder brasileiro criticou o fato de que Fernández disse que pretende revisar o acordo entre o Mercosul e a União Europeia. “Isso traz problemas econômicos para Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai”, argumentou. “Estamos concentrados na economia. Um governo com a economia frágil não se sustenta. E eu não quero que a Argentina siga a linha da Venezuela.”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Bolsonaro ainda ressaltou que não quer ver Cristina “de volta ao poder”, embora também tenha dito que não pretende “interferir politicamente em outro país”. Para ele, o fato de que “o candidato de Cristina”, Alberto Fernández, tenha visitado o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na prisão em Curitiba “demonstra um completo desconhecimento do que acontece no Brasil”. 

Ele afirmou que o Partido dos Trabalhadores (PT) tinha um “projeto de poder” e “assaltou as empresas estatais”, levando a Petrobras “quase à destruição” e deixando “os fundos de pensão também quebrados”. Para ele, a postura de Fernández, inclusive a visita a Lula, “é um sinal de que podemos ter um atrito com a Argentina que não queremos ter”. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O presidente brasileiro disse ainda que, quando era deputado, fazia oposição ao Mercosul, “mas por sua tendência ideológica”. Ele relatou ter conversado anteriormente com Macri e que ambos decidiram que “essa tendência ideológica tem que deixar de existir, temos que ir ao livre mercado e fazer acordos com a maior quantidade de blocos ou países do mundo”.




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade