fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Política & Poder

Baleia reforça aceno à oposição, tenta conter infiéis e pressiona governo Bolsonaro

O candidato do atual presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), fez novo aceno às siglas de oposição em busca de conter dissidências

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

GUSTAVO URIBE E JULIA CHAIB
BRASÍLIA, DF

Em um discurso repleto de críticas indiretas ao governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), o deputado federal Baleia Rossi (MDB-SP) lançou oficialmente sua candidatura à presidência da Câmara nesta quarta-feira (6).

O candidato do atual presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), fez novo aceno às siglas de oposição em busca de conter dissidências e defendeu o pagamento do auxílio emergencial -encerrado pelo governo em dezembro e que Bolsonaro rejeita retomar- ou que o valor do Bolsa Família seja elevado.

“A pandemia não acabou e milhões deixarão de receber o benefício. Entendo que temos de buscar uma solução: ou aumentando o Bolsa Família ou buscando de novo o auxílio emergencial aos mais vulneráveis”, disse Baleia durante o evento.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O emedebista voltou a posicionar sua candidatura como a representante da independência da Câmara, em oposição à de Arthur Lira (PP-AL), líder do centrão que tem o apoio de Bolsonaro.

“Nós temos o dever de fiscalizar e acompanhar as ações do Executivo. Exatamente por isso, a Câmara dos Deputados não pode ser submissa. Se for submissa, não fiscaliza e não acompanha”, afirmou Baleia.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Além de Maia, compareceram ao evento de lançamento da candidatura de Baleia integrantes de partidos como DEM, PSDB, PSL, PC do B, MDB e Rede. Nem PT nem PDT mandaram representantes para o evento. Integrantes da campanha de Baleia disseram que a ausência ocorreu por problemas de agenda e voos.

Na cerimônia, o emedebista lembrou que, graças à postura independente de Maia, a Câmara conseguiu conceder um auxílio emergencial de R$ 600, enquanto a proposta inicial do Executivo era de R$ 200.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Baleia conta com o apoio de um conjunto de partidos que soma 278 parlamentares. Já Lira tem o respaldo de siglas que totalizam 206 parlamentares.

A sinalização de apoio, no entanto, não significa a adesão completa da bancada da sigla à chapa eleitoral.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
>

Isso porque elas só se tornam oficiais após o registro da candidatura, na véspera da votação, e podem mudar de postura até lá. Além disso, o voto é secreto, podendo haver traições de deputados à decisão oficial da bancada.

Para ser eleito em primeiro turno, um candidato à presidência da Câmara precisa de no mínimo 257 votos caso todos os 513 deputados votem.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Baleia trabalha para manter o seu bloco unido enquanto Lira busca dissidências nos partidos que dão sustentação ao adversário.

O candidato do PP lançou a campanha mais cedo, em dezembro, e hoje até mesmo aliados do emedebista admitem que Lira aparece à frente na projeção de votos por uma margem de cerca de 20 apoios.

Nesta quarta, Baleia também fez críticas diretas a Lira.

O candidato do PP reclamou nas redes sociais da possibilidade de a votação da eleição em fevereiro ser remota e não presencial. Segundo o líder do centrão, a campanha de Baleia defende essa ideia. A hipótese está em estudo por Maia, mas ainda não foi apresentada.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Lira defende que a votação seja presencial e levantou dúvidas sobre o objetivo. “Qual a intenção por trás disso?”, questionou o líder do PP em rede social.

Questionado sobre as suspeitas de que a votação remota o correria para beneficiá-lo, como aventa Lira e aliados, Baleia disse tratar-se de “factoide que não existe”. “Síndrome de Trump”, provocou o emedebista.

O presidente do MDB também falou sobre a estratégia do adversário de apostar em traições nos partidos que estão no seu bloco partidário para garantir a vitória.

Embora o bloco partidário que foi montado na Câmara e chancela o nome de Baleia seja formado pelas siglas da oposição ao governo Bolsonaro (PT, PC do B, PSB, PDT e Rede), há resistência ao nome do MDB em boa parte desses partidos. A votação interna no PT que aprovou o apoio ao emedebista foi apertada, com 27 votos a favor e 23 contra.

“Quem fala muito em traição acho que é porque tem vontade de trair. Eu confio na palavra dos deputados. Acredito em cada parlamentar”, afirmou Baleia nesta quarta.

O emedebista tem trabalhado para atrair o apoio do PSOL, cuja bancada é formada por dez deputados. A tendência mais forte da sigla, no entanto, é lançar candidatura própria, apesar de haver dissidências internas.

O candidato de Maia também tem dialogado com o Solidariedade, que indicou apoio a Lira. Como há também dissidências internas, há chance de mudança de posição.

Além das defecções registradas nos partidos de oposição, há dissidências nas legendas de centro, como PSDB e DEM.
No PSDB, aliados de Lira calculam ter ao menos 15 dos 33 votos da bancada. No próprio DEM, partido de Maia, a expectativa é conseguir 18 de um total de 28. A campanha do candidato de Bolsonaro também calcula defecções no PT, onde apostam em ao menos 20 de 52.

Preterido por Maia na disputa, Elmar Nascimento (DEM-BA) passou a atuar na campanha de Lira. Inicialmente, o baiano foi um dos nomes cogitados pelo grupo do presidente da Câmara para enfrentar Lira. Em conversas reservadas, ele não esconde a decepção pela escolha de Baleia. Nesta terça-feira (5), por exemplo, Elmar integrou comitiva de Lira em viagem ao Amapá e ao Pará.

Em outro contraponto a Bolsonaro, Baleia defendeu a união das bancadas federais para cobrar que a população seja vacinada contra a Covid-19. Ele ressaltou que a imunização deve ser universal e gratuita, sem excluir ninguém.

“Aliás, por sugestão de líderes partidários, conversei com Maia para que, caso seja necessário, façamos uma convocação de Câmara e Senado em janeiro para votar medidas urgentes”, disse.

Em uma crítica ao centrão, o deputado emedebista lembrou que, a pedido do governo, siglas do bloco aliado ao Palácio do Planalto tentaram obstruir, no ano passado, sessão legislativa para a votação do Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica).

“Nós avançamos no Fundeb. Me lembro até que alguns partidos do centrão fizeram obstruções, não queriam recursos para a educação”, disse Baleia.

Baleia vai dar a largada na campanha com uma viagem ao Piauí nesta sexta-feira (8). Como mostrou o jornal Folha de S.Paulo, a estratégia é encontrar líderes políticos e governadores para articular votos a seu favor.

Arthur Lira também está em viagem pelo país com apoiadores.

No Piauí, Baleia tem encontro marcado com o governador Wellington Dias (PT) e com o prefeito de Teresina, Doutor Pessoa (MDB).

Na próxima terça-feira (12), Baleia fará campanha em Santa Catarina. Em seguida, estão agendadas viagens para os estados de Goiás e Ceará.

Nesta quarta, o emedebista divulgou um vídeo com um manifesto no qual ressalta o trabalho da Câmara durante a pandemia e faz acenos a partidos de centro e de oposição, como antecipou o jornal Folha de S.Paulo.

A peça mostra imagens de integrantes do bloco partidário do qual o parlamentar do MDB faz parte e que inclui partidos de oposição.

O líder do PSB, Alessandro Molon (RJ), a presidente do PT, Gleisi Hoffmann (PR), e a líder do PC do B, Perpétua Almeida (AC), aparecem ao final da peça.

“Somos muitos. Pensamos e agimos diferente, mas somamos forças para manter a democracia viva e a Câmara livre com Baleia Rossi”, conclui o locutor. ​

No vídeo, de quase dois minutos, o narrador lembra da aprovação de projetos de combate ao racismo e à violência contra a mulher, em um gesto aos partidos da esquerda, que tem como bandeiras importantes a defesa de minorias e dos direitos humanos.

A peça ressalta ainda a votação do Fundeb e da PEC de Guerra, proposta de emenda à Constuição que abriu espaço para gastos emergenciais durante a pandemia.

“Todo mundo sabe o que foi 2020. Você já parou para pensar o que seria do Brasil na pandemia se a Câmara não fosse livre e independente”, diz o narrador no início do vídeo.

A peça foi preparada pelo publicitário Chico Mendez, responsável pelo marketing da campanha de Baleia.

O marqueteiro é o mesmo que preparava material para propagar o “centro democrático”, com manifestos de siglas de centro e centro-direita.

As informações são da FolhaPress




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade