fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Política & Poder

Aras reforça críticas à Lava Jato e afirma que República não combina com heróis, dizem senadores

O MPF (Ministério Público Federal) atravessa uma crise que opõe a cúpula da instituição em Brasília e integrantes das forças-tarefas da Lava Jato

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

Iara Lemos
Brasília, DF

O procurador-geral da República, Augusto Aras, afirmou nesta quarta-feira (29) que a República “não combina com heróis”, em uma crítica a integrantes da Operação Lava Jato.

O relato foi feito por senadores que participaram de reunião com Aras.

“Ele [Aras] disse que uma República não combina com heróis”, disse o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), um dos participantes do encontro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Ele disse que sofre uma oposição sistemática dentro do MP [Ministério Público], mas ele acredita que não pode haver dois MPs, um MP com a web oficial e outro com um grupo privatizado”, afirmou o congressista.

O encontro virtual foi realizado a pedido do grupo Muda Senado. Aras foi contatado pelo senador Marcos do Val (Podemos-ES). Ao todo, oito congressistas participaram da conversa.

Segundo o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), o procurador-geral reforçou ainda mais as críticas já feitas anteriormente aos integrantes da Lava Jato.

“Ele repete as mesmas ilações [contra a Lava Jato], ao mesmo tempo em que defende o trabalho e o legado da Lava Jato, mas ele diz que tem um banco de dados muito grande que não é conhecido”, disse Vieira.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O MPF (Ministério Público Federal) atravessa uma crise que opõe a cúpula da instituição em Brasília e integrantes das forças-tarefas da Lava Jato.

Nesta terça-feira (29), Aras já havia afirmado que a operação em Curitiba tem “caixa de segredos”. A afirmação foi feita durante encontro virtual com o grupo Prerrogativas.

“Em todo o MPF [Ministério Público Federal] no seu sistema único tem 40 terabytes. Para o funcionamento do seu sistema, a força-tarefa de Curitiba tem 350 terabytes e 38 mil pessoas com seus dados depositados, que ninguém sabe como foram escolhidos”, afirmou Aras.

“Não se pode imaginar que uma unidade institucional se faça com segredos, com caixas de segredos.”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A fala do chefe do MPF ocorreu durante a webconferência Os Desafios da PGR em Tempos de Pandemia, promovida pelo grupo Prerrogativas.

Aras disse que recentemente foram descobertos 50 mil documentos invisíveis à corregedoria.

“Não podemos aceitar 50 mil documentos sob opacidade. É um estado em que o PGR não tem acesso aos processos, tampouco os órgãos superiores, e isso é incompatível”, afirmou.

Ele fez o comentário ao abordar a proposta de criação da Unac (Unidade Nacional de Combate à Corrupção e ao Crime Organizado) em discussão no MPF. A equipe da Lava Jato repudiou as críticas e afirmou que não há segredos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

No mês passado, a PGR tentou ter acesso aos dados armazenados pela investigação no Paraná, Rio de Janeiro e São Paulo.

Na ocasião, a força-tarefa em Curitiba recebeu a visita de Lindôra Araújo, uma das principais auxiliares de Aras, mas se recusou a entregar os dados, questionando a legalidade da busca e acusando o procurador-geral de “manobra ilegal”.

Segundo a força-tarefa, não houve comunicação de qual seria a pauta da reunião. Os procuradores afirmaram que “não foi formalizado nenhum ofício solicitando informações ou diligências, ou informando procedimento correlato, ou mesmo o propósito e o objetivo do encontro”.

Sob o argumento de que o acesso tem respaldo em decisões judiciais, incluindo despacho de 2015 do então juiz Sergio Moro, Aras recorreu ao Supremo Tribunal Federal.

O presidente da corte, Dias Toffoli determinou o compartilhamento de dados. Ao expedir a ordem, o ministro afirmou que a postura da Lava Jato viola o princípio da unidade do Ministério Público.

“No momento existe em curso uma intensa movimentação para acabar com a Lava Jato e para desqualificar todos os atores públicos responsáveis pelo êxito dessa operação. Não podemos permitir esta inversão absurda “, disse o senador Oriovisto Guimarães (Podemos-PR).

Ainda segundo os senadores, nesta quarta, Aras afirmou que pediu um laudo pericial do sistema de distribuição eletrônica de processos. Segundo o procurador-geral afirmou aos senadores, o processo “era totalmente fraudável e que poderia ter direcionamento para chegar em procuradores”.

“Ele disse que até a escolha da lista tríplice era um sistema passível de fraude”, disse Rodrigues.

As informações são da FolhaPress




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade