fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Política & Poder

Aproximação de Bolsonaro com centrão acelera debate sobre sucessão de Maia

Em tempos de pandemia do coronavírus e sessões por videoconferência, a estratégia tem sido apelar às redes sociais e até fazer “test drive” na cadeira de Maia

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

A aproximação do Palácio do Planalto com líderes do Centrão intensificou a articulação nos bastidores da Câmara para a sucessão de Rodrigo Maia (DEM-RJ) na presidência, marcada para fevereiro do ano que vem. Enquanto o presidente Jair Bolsonaro tenta refazer sua base e garantir um aliado no comando da Casa, parlamentares da oposição e do chamado “baixo clero” se movimentam para criar alternativa à candidatura governista.

Em tempos de pandemia do coronavírus e sessões por videoconferência, a estratégia tem sido apelar às redes sociais e até fazer “test drive” na cadeira de Maia. Foi o que ocorreu na semana passada com Marcelo Ramos (PL-AMs), nome que corre por fora entre os favoritos do Centrão.

Na segunda-feira passada, ao assumir a presidência da sessão virtual da Câmara por alguns momentos, Ramos ganhou apoio de outros parlamentares para brigar por ela no ano que vem. “O senhor fica muito bem ajeitado nessa cadeira, Presidente!”, disse o deputado Eli Borges (Solidariedade-TO). “Vossa Excelência fica bem nesta cadeira, presidindo muito bem esta sessão”, emendou José Nelto (Podemos-GO). Ramos desconversa: “Ousadia”.

Em seu primeiro mandato e ex-filiado ao PCdoB, o deputado do PL ganhou a confiança de colegas ao comandar a comissão da Previdência na Casa no ano passado. Desde então, tem sido escalado para missões que muito parlamentares não querem assumir, como o relatório que salvou o deputado Wilson Santiago (PTB-PB) após ordem do Supremo Tribunal Federal para afastá-lo por suspeita de corrupção. Entre os políticos, a defesa da classe é um ponto positivo na hora de escolher o presidente da Câmara.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O Centrão, grupo ao qual Ramos faz parte, ainda discute um nome de consenso. O presidente do Republicanos, Marcos Pereira (SP), o líder do PP, Arthur Lira (AL), e o líder da Maioria, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), são os mais cotados para assumir o posto. Os dois primeiros podem ter o apoio de Bolsonaro na disputa.

A lista de pré-candidatos foi ampliada nesta semana após o deputado Alexandre Frota (PSDB-SP) iniciar campanha por Alessandro Molon (RJ), líder do PSB. “Precisamos de uma mudança radical na Câmara, e um grande nome para a presidência seria o deputado federal, radialista, historiador e líder da oposição Alessandro Molon. Acho que precisamos mudar principalmente pela movimentação com o Palácio e o Centrão”, escreveu Frota em seu Twitter.

Questionado sobre o apoio público, Molon disse não ser o momento de pensar na disputa, mas o Estadão/Broadcast apurou que o parlamentar tem conversado com colegas para viabilizar uma candidatura. “Estou trabalhando para o País superar a crise”, disse o deputado.

Já Capitão Augusto (PL-SP), líder da bancada da bala, escancara sua intenção de substituir Maia. “Sou candidato a presidente da Câmara em caráter irrevogável”, disse. O deputado afirmou já ter conversado com dezenas de colegas para conseguir apoio e calcula ter 70 votos ao seu favor. “Preciso pelo menos mais 30 para chegar ao segundo turno”, contabiliza. Augusto não se preocupa com a movimentação do Palácio do Planalto. “Não acredito que Bolsonaro vá se envolver. Isso já deu errado em outros governos e pode ser um tiro no pé”, disse.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Outro que também faz campanha abertamente é Fábio Ramalho (MDB-MG), que pretende entrar na disputa pela terceira vez consecutiva. Mesmo sem o apoio do partido, “Fabinho Liderança”, como é conhecido, disse que tem conversado com colegas e que sua candidatura é uma demanda dos próprios deputados. Fabinho tem bom trânsito no baixo clero da Casa por distribuir guloseimas aos colegas em dias de sessão. Na última disputa, porém, obteve apenas 66 votos.

A antecipação da discussão para a substituição de Maia é criticada no Parlamento. “Antecipar esse debate é dispersar num momento em que a conjuntura exige concentração, no combate à crise sanitária e econômica. Tem ainda um outro efeito que é enfraquecer o poder de Maia em um momento que ele precisa ser fortalecido”, disse o líder do Cidadania na Câmara, Arnaldo Jardim (Cidadania-SP).

Enio Verri (PR), líder do PT – partido que costuma ter candidato próprio para a disputa –, também acredita que não é o momento de se discutir a sucessão de Maia. “Antecipação tem limite. Vamos discutir isso em dezembro, estamos ainda em abril e em uma pandemia. É muito cedo”, disse. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade